COOPERAÇÃO INTERNACIONALEuropaNOTAS ANALÍTICAS

A cooperação marítima entre OTAN e União Europeia

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e a União Europeia (UE) são atores internacionais sui generis em vários sentidos. Dentre as singularidades de ambas está a interação com o ambiente marítimo sob o viés securitário, mesmo sem constituírem-se como atores estatais. As ligações com o mar permeiam o histórico de ambas, sendo que nos últimos anos cada uma agrupou suas visões e operações navais em estratégias marítimas próprias visando orientar a sua ação neste ambiente.

Emblema da Operação Ocean Shield

O documento orientador da OTAN foi divulgado em 2011*, sendo que o europeu data de 2014. Desde então, o diálogo entre ambas na esfera securitária relacionada ao mar vem gradativamente ampliando seus níveis de interação e complementariedade. Neste contexto, no dia 30 de junho de 2017 se reuniram em Bruxelas especialistas, diplomatas e militares para discutir o futuro da cooperação marítima entre as duas instituições.

A pauta de diálogos foi bastante ampla, abordando do planejamento de missões e pós-gerenciamento de crises até os seus aspectos legais e as contribuições do setor industrial. As principais experiências que serviram de base para o debate foram as operações conjuntas da OTAN e UE no Mar Mediterrâneo e no Golfo de Áden/Oceano Índico.

No mediterrâneo, a operação conjunta dos dois organismos começou em 2015. O foco principal da parceria consistiu no apoio da OTAN, por meio da Operação Sea Guardian, à Força Naval da União Europeia para o Mediterrâneo (EUNAVFOR MED) para operações de patrulha, monitoramento e resgate, relacionadas ao intenso fluxo migratório que atinge a Europa desde aquele ano.

Outra experiência analisada na reunião foi o trabalho conjunto da operação naval da OTAN denominada Ocean Shield (2009-2016) com a Força Naval da União Europeia para a Somália (EUNAVFOR Somalia) com o objetivo de combater as ações de pirataria nas áreas costeiras do Golfo de Áden e do Oceano Índico.

A reunião é um desdobramento da Declaração Conjunta, emitida pela OTAN e UE em dezembro de 2016, para fomentar a implementação da parceria estratégica entre as partes. O encontro propiciou a oportunidade para os participantes desenvolverem uma visão prospectiva sobre as potencialidades que a operação naval conjunta oferece a ambas as instituições. Adicionalmente, o evento sinaliza que a cooperação marítima está ganhando corpo no diálogo europeu, com potencial para ser mais um campo no qual as partes estreitam posições para contrapor ameaças à segurança coletiva europeia.  

———————————————————————————————–

Notas:

* Atualizando a primeira estratégia marítima da OTAN, que data de 1984.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Composição Bandeira da Organização do Tratado do Atlântico Norte e Bandeira da União Europeia” (Fonte):

Link Bandeira da OTAN:

https://en.wikipedia.org/wiki/NATO#/media/File:Flag_of_NATO.svg

Link da Bandeira da União Europeia:

https://en.wikipedia.org/wiki/European_Union#/media/File:Flag_of_Europe.svg

Imagem 2 Emblema da Operação Ocean Shield” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Ocean_Shield#/media/File:NATO_Operation_Ocean_Shield.png

About author

Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestre em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência acadêmica nas áreas de governança internacional, estudos europeus e regimes internacionais. Atualmente é Analista de Relações Internacional na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com atuação nas áreas de articulação, desenvolvimento e cooperação internacional. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, Políticas Globais, Europa, Cooperação Técnica e Cooperação Científica.
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Reunião de Alto Nível sobre os direitos da mulher é realizada durante a Assembleia Geral da ONU

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!