NOTAS ANALÍTICAS

Crescimento econômico brasileiro deve atentar para as mudanças na China

Nesta semana, a “Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico” (OCDE) divulgou dados sobre o crescimento das economias do G-20 no primeiro trimestre deste ano (2012). O Brasil está crescendo menos que as demais economias e, além disso, como elas, necessita ficar atento para o possível “Risco China”.

 

Segundo os dados da OCDE, os “Produtos Internos Brutos” (PIBs) dos membros do grupo tiveram aumento de 0,8% em comparação ao mesmo período do ano passado (2011). O Brasil, por sua vez, teve apenas 0,2% em seu crescimento, considerado estável em relação ao período anterior, algo preocupante. Os dados da China foram de 1,8% em seu crescimento, uma diferença de 0,01% em relação a 2011 e, embora este seja um dado positivo, ainda assim, a economia chinesa é a que mais deve preocupar os brasileiros.

As principais economias do mundo não estão boa fase, tal qual destacou Kenneth Rogoff, da “Universidade de Harvard”. Os “Estados Unidos” estão rateando; a Europa está quase em recessão e o Japão ainda sofre com sua prolongada armadilha de baixo crescimento. Para ele, a China é o único grande motor com o qual a economia global pode contar. Suas palavras são coerentes com a realidade quando observados os dados sobre a economia mundial e sobre a economia chinesa nos últimos 3 anos, porém, este é o ano de transformação no gigante asiático.

Como já foi publicado em notas e análises no site do CEIRI, no site oficial do Governo chinês e pelo “Ministério de Recursos Humanos e Segurança Social da RPC”, o país está voltando suas energias para uma economia baseada no consumo interno, realizando mudanças na previdência, no salário e em outros mecanismos que alterarão a dinâmica econômica. Concluíram os chineses que o país não pode apenas contar com a demanda externa, pois a economia mundial está fraquejada e manter esse modelo de crescimento já não faz sentido.

Além disso, o Governo da China terá um novo mandatário e Xi Jinping, caso venha a assumir a função, pode dar continuidade ou não ao atual modelo de crescimento. Indiferente às transformações políticas que possam ocorrer na China, a “Assembléia Popular Nacional” (APN) já confirmou os rumos da economia chinesa para os próximos cinco anos e o país poderá abandonar de vez seu crescimento acelerado baseado no acesso de crédito para Bancos e empresas estatais que foram fundamentais para os dados expressivos de alcançados nos últimos anos.

Para muitos economistas, a China é hoje quem deveria estar no centro do “Radar” do Governo brasileiro, pois, diante da mudança de estratégia divulgada por Beijing, se não ocorrer uma rápida recuperação da economia mundial e houver mudanças quanto aos principais exportadores de produtos para o país asiático, o Brasil é quem sentirá o maior impacto.

———————

Fontes:

Ver:

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,economias-do-g-20-crescem-08-no-1-trimestre-brasil-avanca-apenas-02,115929,0.htm

Ver o artigoBrasil tem de ficar atento ao risco China”:

http://blogs.estadao.com.br/fernando-dantas/

Ver Analise CEIRI”:

https://ceiri.news/index.php?option=com_content&view=article&id=2892:distribuicao-de-renda-na-china-e-o-futuro-economico-do-pais&catid=33:analises-de-conjuntura&Itemid=644

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU anuncia manter proteção a civis aos 10 anos da guerra na Síria

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Governo do Sudão compensa vítimas do ataque terrorista ao USS Cole

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Manufatura chinesa registra maior queda desde 2009 devido ao coronavírus

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Brexit, continuação do processo

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by