NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Defender para frente, a nova abordagem cibernética do Pentágono

Além da publicação da primeira estratégia completa sobre segurança cibernética, em 15 anos, o Governo norte-americano divulgou, no final de setembro (2018), projeto, nessa mesma área, elaborado pelo seu Departamento de Defesa.

Selo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos

O plano do Pentágono enfatiza a competição estratégica de longo prazo, no âmbito do ciberespaço, que os Estados Unidos travam com China e Rússia, destacando, respectivamente, a alegada subtração de informações de diversos setores norte-americanos protagonizada pela China e a acusada influência no processo democrático estadunidense, supostamente desencadeada por atuação russa.

A partir dessas ameaças, pode-se afirmar que, comparada aos projetos anteriores elaborados durante o mandato do presidente Barack Obama, a atual estratégia cibernética do Pentágono possui uma característica mais agressiva, representada, principalmente, pela ênfase do documento na chamada “defesa para frente” (defend forward), que consiste em “interromper a atividade cibernética maliciosa na sua origem”, confrontando, dessa forma, ameaças aos EUA antes de elas conseguirem acessar as redes norte-americanas.

Com base nessa diretriz, o Departamento de Defesa teria maior autonomia para realizar ações preemptivas que desestimulassem prováveis ataques cibernéticos àquele país. Deve-se destacar, no entanto, que, apesar de o conceito ter sido introduzido apenas nesse documento recém-publicado, na prática, iniciativas que poderiam se encaixar sob a denominação de “defesa para frente” já são realizadas pelas forças norte-americanas há algum tempo.

Entre as principais críticas feitas a essa abordagem mais agressiva protagonizada pelos EUA no ciberespaço, pode-se destacar o receio de que a atitude amplie a escalada dos conflitos cibernéticos. Ademais, receia-se que o menor prazo para identificar a autoria de possíveis ataques enseje uma retaliação contra um alvo errado.

Ainda que seja objeto de reprimendas, essa nova abordagem parece estar alinhada ao diagnóstico realizado por altos oficiais norte-americanos, como o general Paul Nakasone, diretor da Agência Nacional de Segurança, segundo o qual, os adversários dos EUA ainda não testemunharam uma retaliação forte o suficiente para que fossem incentivados a mudar sua conduta perniciosa no ciberespaço.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 2 Prédio do Pentágono” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Pentagon#/media/File:The_Pentagon,_cropped_square.png

Imagem 2 Selo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/United_States_Department_of_Defense#/media/File:United_States_Department_of_Defense_Seal.svg

About author

Mestre em Relações Internacionais (UEPB), especialista em Direito Internacional e Comércio Exterior (UnP) e bacharel em Relações Internacionais (UnP). É professor universitário e coordenador acadêmico, interessa-se por temas como: Cooperação Internacional em Ciência, Teconolgia e Inovação; Diplomacia Científica; Technopolitics e Peace Innovation.
Related posts
ÁFRICAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Oleoduto entre Angola e Zâmbia

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Conselho de Direitos Humanos da ONU discute projeto de Tratado sobre a Responsabilidade de empresas e Estados pelo respeito aos Direitos Humanos

NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Laboratório da Samsung na Rússia na vanguarda dos “deepfake”

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Extinction Rebellion toma conta das ruas de Londres, em protesto pelo clima

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by