fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Comércio entre a China e os países de língua portuguesa sofre queda

O comércio entre os países lusófonos e a China apresentou resultados negativos entre o mês de janeiro e setembro deste ano. Segundo os dados oficiais da alfândega chinesa, neste período, o comércio foi de U$ 43,53 bilhões, apresentando queda de 29,27 %, com relação ao mesmo período do ano anterior.

Embora as trocas comerciais tenham demonstrado uma leve recuperação no mês de agosto, a China vendeu para os oito países de língua portuguesa produtos estimados em U$ 12,84 bilhões de dólares e comprou U$ 30,68 bilhões de dólares, durante estes meses. Isso, contudo, no cálculo geral, representa uma queda no comércio entre os países lusófonos e os chineses.

Ainda segundo os dados oficiais do serviço de alfândega chinesa, o Brasil continua sendo o maior parceiro dentro deste grupo. Mesmo com uma queda de 21,10%, as exportações chinesas para o país atingiram 21,12 bilhões de dólares.

Angola, segundo maior parceiro comercial, obteve resultados negativos de 47,40% e Portugal, terceiro maior parceiro lusófono, apresentou alta de 21,50% em suas vendas e queda de 20,40% em suas compras da China.

Resultados mais positivos no comércio entre os países lusófonos e os chineses são esperados para o ano de 2010, já que a recessão econômica global apresenta indícios de que está chegando ao fim.

As feiras internacionais de comércio realizadas na China, como a “14º Feira Internacional de Macau” (MIF) são alguns meios de reunir os empresários de ambos os lados (países lusófonos e China), com o objetivo de estimular maiores investimentos e trocas comerciais. Macau tem sido usado como ponte para as aproximações e relações comercias entre chineses e os países de língua portuguesa.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!