fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Embraer no mercado chinês

A empresa brasileira Embraer continua sua estratégia forte para se manter no mercado chinês. Ela anunciou um memorando com uma empresa chinesa para financiamento e leasing de aeronaves. A empresa “Avic International Leasing” da China, irá financiar as futuras aeronaves da Embraer em terras chinesas.

O Acordo poderá chegar a 1,5 bilhão de dólares nos próximos cinco anos. A Avic é a única empresa autorizada por Beijing a atuar com este tipo de Acordo no segmento de aviação e tem experiência no mercado regional de aviação executiva. Atualmente, ela possui cerca de 1,2 bilhão de ativos de leasing com uma frota de 62 aeronaves.

A Embraer detém bom relacionamento com a “Republica Popular da China” (China continental) e, atualmente, já entregou 77 de 105 aeronaves encomendadas no país, atuando na fabricação de aeronaves com até 120 passageiros. Planeja competir com concorrentes chinesas, como a “Companhia de Aeronaves Comerciais da China”, que fabrica aviões de grande porte, da classe “Jumbo”.

Este acordo certamente ajudará a fornecer um forte suporte aos nossos clientes na China e em todo o mundo”, afirmou em nota, Paulo Cesar de Souza e Silva, vice-presidente executivo da Embraer para o “Mercado de Aviação Comercial”.

A empresa brasileira tem prospecções positivas para sua atuação no mercado chinês. Segundo o presidente da Embraer na China, Guan Dongyuan, até 2029 este mercado crescerá de forma “saudável”, alimentando o mercado regional e abrindo novas oportunidades para os negócios com a China e com as nações vizinhas. Sua atuação no país gera empregos e desenvolvimento regional, frisando-se que tem seguido as leis chinesas, sem contradições.

Continuaremos a entregar produtos com a mais moderna tecnologia e oferecendo serviços diferenciados para este mercado promissor, demonstrando o nosso comprometimento com o desenvolvimento da China”, declarou Guan Dongyuan.

Com este Acordo, a Embraer pretende se firmar no mercado chinês e expandir seus negócios regionalmente, mantendo-se líder em seu campo de atuação no mercado asiático.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!