fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Países asiáticos estão na frente do Japão em termos de “Tratados de Livre Comércio”

O Japão está sendo criticado internamente e externamente por analistas econômicos, devido à sua política econômica fechada em relação aos “Tratados de Livre Comércio” (TLC). Este comportamento está lhe deixando atrasado diante de seus vizinhos no continente asiático. O país tem sido criticado, especialmente quando é comparado com a Coréia do Sul. Atualmente, os sul-coreanos estão firmando seus “Acordos de Livre Comércio” com os Estados Unidos, mesmo neste momento tenso na península coreana.

O Japão, por isso, ficou defasado, se comparado com a Coréia do Sul, mas também com outras nações vizinhas, já que ele possui “Acordos de Livre Comércio” e parcerias econômica com apenas 13 países e territórios, em sua maioria, com países emergentes.

Tókio mantém estes tipos de Acordos com a “Associação das Nações do Sudeste Asiático” (ASEAN), México, Cingapura, Índia e com o Peru. Porém, os nikkeis não têm grandes avanços em TLCs com países que detém maiores mercados de consumo, diferentemente dos sul-coreanos.

Atualmente, a preocupação com o novo “Acordo EUA-Seul” está no impacto desta parceria para as exportações japonesas, tanto para a Coréia quanto para os Estados Unidos, uma vez que os coreanos estão competindo cada dia mais com os produtos japoneses. Os produtos sul-coreanos são grandes rivais, desde os eletrônicos ao automobilísticos. Assim, este TLC entre Coréia do Sul e EUA causará grande impacto na economia do Japão.

Economistas japoneses acreditam que o país tem necessidade de remodelar sua política econômica quanto aos TLCs, sendo que as economias asiáticas vem caminhando para uma integração econômica, podendo vir a competir com o Japão em igualdade de condições em futuro próximo.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!