fbpx
ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Efeito decrescente das sanções contra a Rússia

Desde março de 2014, com a alegação da anexação ilegal da Crimeia e à desestabilização deliberada da Ucrânia, os Estados Unidos, juntamente com a União Europeia, vêm progressivamente adotando diferentes tipos de medidas restritivas à Rússia, no que se refere a processos diplomáticos, medidas restritivas individuais (congelamento de bens e restrições de viagem para agentes do governo e/ou ligados a empresas estatais), sanções econômicas que visam as trocas comerciais com a Rússia em determinados setores econômicos, e restrições à cooperação econômica no tocante à assinatura de novas operações de financiamento junto ao Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD).

Sanções Russas

Em agosto de 2017, com a promulgação da Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções (CAATSA – Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act) pelo presidente norte americano Donald Trump, a crise política entre os dois países se agravou à um nível não visto desde a Guerra  Fria, pois daria início a um novo tipo de sanção, a qual estaria seletivamente dirigida contra nações que optarem por comprar armamento russo, um dos principais itens do comércio exterior do país, levando a considerações por parte de analistas internacionais na área de economia e defesa de se tratar de movimentos anti-hegemônicos provindos de um antigo inimigo da Rússia, em detrimento ao seu desenvolvimento político-econômico angariado no decorrer dos últimos anos, além de violarem os princípios do livre comércio, não criando a base para o desenvolvimento do mercado e da concorrência, contradizendo as regras da OMC (Organização Mundial do Comércio).

Com o tempo, a aplicação das várias restrições contra a Federação Russa gerou um “efeito bumerangue”, primeiramente pela não intimidação por parte do país, em resposta ao seu reclamante, seguido pela assimilação de oportunidades adicionais para o desenvolvimento da indústria doméstica, a diversificação de produtos para exportação, além de causar um afluxo de capitais à Rússia provenientes de grandes fortunas que estavam em outros países e voltaram aos bancos russos triplicando a taxa de crescimento dos ativos em suas carteiras de negócios, segundo dados da Sberbank Private Banking, filial do maior banco russo, especializada em atender clientes com grandes fortunas.

Angela Merkel

As restrições norte-americanas, além de estarem aos poucos tendo um efeito decrescente contra a economia russa, devido à sua capacidade de blindagem adquirida com o tempo, está afetando indiretamente países do Bloco europeu que comercializam com a Rússia e estão perdendo negócios na casa dos bilhões de euros. A Alemanha é um dos principais descontentes com as restrições contra a Federação Russa, sobre o que a chanceler federal Angela Merkel já sinalizou como “desconcertante” o impacto restritivo sobre empresas de países terceiros.

Aos poucos, vão surgindo manifestações por parte de empresas e organizações políticas na Europa em favor de um cancelamento gradual ou até mesmo uma suspensão imediata e incondicional das restrições econômicas aplicadas à Rússia, considerando o país não como uma ameaça, mas como um parceiro econômico e comercial, além de um possível mediador estratégico para resolver crises regionais na Síria, na Líbia e no Iêmen.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Bandeiras da Rússia e União Europeia” (Fonte):

https://i.lb.ua/005/00/5abb617953386.jpeg

Imagem 2 Sanções Russas” (Fonte):

https://cms.marketplace.org/sites/default/files/styles/primary-image-400×222/public/Russian%20Sanctions.jpg?itok=tSEtmT3p

Imagem 3 Angela Merkel” (Fonte):

https://pbs.twimg.com/media/DSzqgFyXkAEdOC1.jpg

About author

Mestrando no programa de Governança Global e Formulação de Políticas Internacionais (PUC-SP) na linha de pesquisa em Cooperação Internacional. Especialista em Política e Relações Internacionais (FESPSP) e habilitado em Iniciação Científica em Defesa, pela Escola Superior de Guerra (ESG-RJ). Cursou MBA em Economia de Empresas (FEA-USP) e graduou-se como Bacharel em Ciências Econômicas (CUFSA). Especialista em Docência no Ensino Superior (SENAC) atuou durante 7 anos como educador voluntário no Projeto Formare da Fundação Iochpe, ministrando aulas sobre Ética, Sociedade, Política e Democracia. Como articulista no Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) escreve sobre política e economia da Eurásia.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!