AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Eleições no Equador em 2017 e o contexto político sul-americano

Na semana passada, terça-feira, dia 16 de maio de 2017, o Conselho Eleitoral Equatoriano diplomou Lenín Moreno, Presidente eleito do Equador. Sua eleição reflete o momento vivido na política sul-americana, momento de instabilidade, divisão política, crises e denúncias de corrupção. Moreno ganhou por margem apertada (51,7%) e teve a vitória contestada pelo seu opositor, o candidato Guillermo Lasso, que obteve 48,93% no pleito. A eleição de Moreno foi marcada por denúncias de fraude eleitoral feita pela Oposição. Lasso não reconheceu a vitória de Moreno, pediu a recontagem dos votos e afirmou que possuía provas do que acusava.

Dia de votação. Fonte: Twitter Lenín

Já no dia 3 de abril, logo após a eleição, o candidato derrotado havia convocado uma vigília para “evitar que se instale um governo ilegítimo no Equador”. O novo Presidente eleito foi vice-presidente de Rafael Corrêa até 2013 e é cadeirante desde 1998, após um assalto em que foi vítima. Ele é militante da causa dos portadores de deficiência e foi Enviado Especial das Nações Unidas para Deficiência e Acessibilidade. Moreno tem como primeira missão dar fim à polarização política na qual o país se encontra.

Situação semelhante ao Equador ocorreu no Peru, em abril de 2016, ou seja, com a eleição apertada entre Pedro Kuczynki, que obteve 50,12%, e Keiko Fujimori, com 49,88%. No caso do novo Presidente peruano, ele não possui maioria no Parlamento, pois os fujimoristas ocupam 73 das 130 cadeiras parlamentares.

Moreno e o presidente do Peru P. Kuczynski. Fonte: Teitter Lenín

Pode-se afirmar que, no Equador, a eleição de Moreno representou uma vitória da esquerda sul-americana, no momento em que a região faz uma conversão ao neoliberalismo com Macri na Argentina e Temer no Brasil, e a esquerda tem encontrado fortes oposições, como é o caso da Venezuela, onde o Governo Maduro enfrenta protestos de rua cada vez mais numerosos, tendo como último lance da crise o papel atribuído ao Tribunal Superior de Justiça, assumindo as funções do Parlamento, ou seja, significando que o órgão máximo de Justiça da Venezuela passaria a ter também a função de legislar.

No Brasil, o Governo Michel Temer tenta aprovar reformas extremamente impopulares, como a trabalhista e previdenciária, em um Parlamento que tem entre seus membros deputados e senadores investigados pela denominada Operação Lava Jato, a qual tem se dedicado ao combate à corrupção no país, centralizada no envolvimento de empresas privadas, parlamentares, membros do governo e funcionários da Petrobras. Alguns destes políticos, inclusive, já se encontram na condição de réus no Supremo Tribunal Federal.

Na América do Sul, os presidentes e ex-presidentes sul-americanos começam a ser implicados na Justiça por favorecimento à construtora brasileira Odebrecht por obras construídas em seus países. Este é o caso do Nobel da Paz, o presidente colombiano José Manuel Santos e também são as situações dos ex-presidentes Alejandro Toledo e Ollanta Humala do Peru, da presidente Cristina Kirchner na Argentina e de autoridades de países da América Central, como Guatemala, Panamá e República Dominicana.

As eleições no Equador demonstram polarizações políticas e fazem pensar que a eleição de Lenín Moreno é a única e solitária vitória recente da esquerda sul-americana. Este é um período de instabilidades e contestações políticas na América do Sul e de grandes desafios à democracia.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Lenín Moreno em Campanha Presidencial” (Fonte):

https://twitter.com/lenin

Imagem 2 Dia de votação” (Fonte):

https://twitter.com/lenin

Imagem 3 Moreno e o presidente do Peru P. Kuczynski” (Fonte):

https://twitter.com/lenin

About author

É doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e letras da UNESP - Araraquara - SP. É Mestre em História desde o ano de 2003 pelo programa de Pós - Graduação em História da UNESP de Franca/SP, atuando principalmente nos seguintes temas: História, política, democracia, militarismo, segurança, defesa e Relações Internacionais. Membro do Grupo de Pesquisas sobre História Política e Estratégia - GEHPE-UFMS e do Núcleo de Pesquisas sobre o Pacífico e Amazônia - NPPA (FCLAr UNESP). É professor de História da América da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS - campus de Coxim/MS
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by