fbpx
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Entre “Forças de Segurança” e “Militantes Islamitas”: a violência aumenta no Egito

As ondas de violência que decorrem da deposição de Mohammed Morsi da Presidência egípcia continuam aumentando. Nesta semana, as cidades de Delga e Kerdasa foram palcos de embates entre a polícia e manifestantes que apoiam o ex-presidente.

Delga fica ao sul do Cairo e sofreu uma incursão por parte das “Forças de Segurança” egípcias na última segunda-feira, dia 16. O objetivo era terminar com o domínio de militantes islamitas que tomaram o controle da cidade após o golpe sobre Morsi. Durante a investida, dezenas de residentes da cidade foram presos.

A ação militar em Kerdasa começou na manhã de ontem, quinta-feira, dia 19. Em agosto, 15 policiais foram mortos na região por um grupo de islamitas. Seus corpos foram mutilados e arrastados por carros. O ocorrido teria sido em retaliação à violência utilizada pelas forças militares em campos de protestos a favor de Mohammed Morsi, no Cairo.

Na manhã de ontem, centenas de militares entraram na cidade, apoiados por helicópteros e veículos de guerra. Os membros da força de segurança encontraram a resistência de militantes islamitas armados nos telhados de prédios, escolas e mesquitas. O general Nabeel Farrag foi atingido e morreu durante o tiroteio.  Ao entardecer, a troca de tiros terminou, mas havia forte permanência de policiais nas ruas e nos checkpoints militares das principais saídas da cidade.

Kerdasa é uma cidade importante para a economia egípcia. De fácil acesso à capital, fica próxima às pirâmides de Giza, principal ponto de atração turística do país. O comércio de carpetes típicos e roupas também faziam do lugar um destino popular.

A violência mútua entre forças militares e grupos de manifestantes que apoiam a Irmandade Muçulmana está crescendo cada vez mais. Dentre as análises realizadas acerca da situação do país, está em foco a atuação de grupos islamitas na política e a possível retomada do poder pelos militares, como era antes dos movimentos da “Primavera Árabe”. 

Em meio ao conflito crescente, a população local está sofrendo com o enfraquecimento constante de sua economia e da sua segurança. Moradores de Kerdasa, por exemplo, alegaram que não confiam na polícia e que a agitação contra o governo ocorrida na cidade é realizada por pessoas de fora e não por moradores locais. Os militantes tomaram o controle da cidade há mais de um mês. O morador Ahmed Aly se sente inseguro, como declarou: “Nós sabemos que eles virão prender pessoas, sabemos e respeitamos, quem eles culpam pela violência que estamos a par, realizada por pessoas de fora, não por nossos respeitáveis sheiks[1]. Pelo menos mil pessoas foram mortas durante os confrontos entre militantes e forças de segurança desde Julho deste ano, dentre elas, 100 policiais.

——————————

Imagem (Fonte):

http://www.reuters.com/article/slideshow/idUSBRE98I04A20130919#a=5

——————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-24156197

——————————

Ver também:

http://www.cbsnews.com/8301-202_162-57603604/egyptian-troops-storm-islamist-stronghold-of-kerdasa-near-cairo/

Ver também:

http://english.ahram.org.eg/NewsContentP/1/81969/Egypt/Egypts-security-forces-storm-Kerdasah,-police-offi.aspx

About author

Mestranda em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bacharel em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especializada em Relações Internacionais Contemporâneas (PUC-Rio). Com foco em política no Oriente Médio, participou da “The Israeli Presidential Conference – Facing Tomorrow” - sob os auspícios de Shimon Peres - nos anos de 2011 e 2012, tendo realizado outros cursos na área em Israel.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!