ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Espanha-China e a maior linha de trem do mundo

Desde novembro de 2014, o trem Yixinou opera o maior trajeto ferroviário do planeta, unindo a cidade de Madrid, na Espanha, a distante cidade de Yiwu, na China, passando pela França, Alemanha, Polônia, Bielorrússia, Rússia e Cazaquistão, até chegar ao seu destino, que fica a poucos quilômetros de Shangai.

São um total 13.052 km de viagem, realizados em 20 dias, tempo inferior as viagens feitas por navios de carga, que demoram entre 35 a 40 dias para chegar aos portos do Mediterrâneo, o que reduz consideravelmente as emissões de poluentes e o tempo de deslocamento.

O trem Madrid-Yiwu surge como uma alternativa ao transporte marítimo e como um novo eixo de desenvolvimento, sendo, atualmente, chamado de “Nova Rota da Seda”, ao unir importantes economias de perfis diferentes.

A escolha da Espanha para operar o trem em parceria com a China não foi uma mera casualidade. Além de o país operar como porta de entrada da Europa para os produtos vindos da América, o projeto do trem Yixinou teve que superar importantes desafios logísticos e operacionais, tais como as diferenças no tamanho das bitolas que existem nos variados países por onde o trem passa. A Espanha possui uma bitola diferente do padrão europeu, por esse motivo o país desenvolveu uma série de trens capazes de circular entre diferentes trechos de vias. Por outro lado, a Espanha é o país europeu que possui a maior rede de trens de alta velocidade e sua rede cobre a totalidade do território, estando presente até mesmo em algumas ilhas.

No momento, o custo do transporte ferroviário é maior que o marítimo, devido, principalmente, aos trâmites burocráticos e ao limite de carga das locomotivas. Ainda assim, a Espanha e a China criaram uma instituição chamada FIYE (Fundação para o Intercâmbio entre Yiwu e Espanha) com o objetivo de estimular a utilização da via e aos poucos transformar a mesma na principal alternativa para o comércio entre o Bloco Europeu e os países asiáticos. A China também oferece um espaço publicitário gratuito em sua televisão estatal para as empresas que utilizam o trem.

O fato de passar por importantes economias, tais como a francesa, a alemã e a russa, transforma a linha em um eixo guia para a economia da União, que, aos poucos, supera a crise econômica e os problemas de integração, além de viabilizar uma maior participação aos países da Europa do Leste nos fluxos comerciais para a Ásia.

A redução da demanda chinesa e as sanções econômicas aplicadas a Rússia, devido à Crise da Crimeia, além da burocracia de alguns países, são os maiores desafios do projeto. Até o primeiro trimestre de 2016, o trecho registrou 48 viagens.

O projeto do trem euroasiático deve persistir e servir de exemplo para novas linhas transcontinentais, tais como a Atlântico-Pacífico, entre o Brasil e o Peru, ou a conexão China-Estados Unidos, através do estreito de Bering.

O trem é um transporte eficiente que emite poucos poluentes e, durante muito tempo,  foi responsável por levar o desenvolvimento e a industrialização para diversos pontos do globo, promovendo uma maior homogeneização da produção e da economia. Somente com o auge da indústria automotiva que muitos países fizeram a substituição das ferrovias para rodovias, o que gerou uma maior concentração das atividades produtivas em países com grandes territórios.

Com as novas tecnologias e o aumento da preocupação internacional em relação a emissão de poluentes, o trem volta a ganhar protagonismo e nações do mundo inteiro voltam a investir nessa modalidade de transporte.

———————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

http://exportarenaragon.es/wp-content/uploads/2016/03/yixinou.jpg

About author

Atuou como consultor internacional na área de Paradiplomacia para o Escritório Exterior de Comércio e Investimentos do Governo da Catalunha. Formado em Negociações e Marketing Internacional pelo Centro de Promoção Econômica de Barcelona, Bacharel em Administração pela Universidade Católica de Brasília, especialista pós-graduado em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP, MBA em Novas Parcerias Globais pelo Instituto Latinoamericano para o Desenvolvimento da Educação, Ciência e Cultura e mestrando em Polítcias Sociais em Migrações na Universidad de La Coruña (España). Fundador do thinktank NEMRI – Núcleo de Estudos Multidisciplinar das Relações Internacionais. Especialista em paradiplomacia, acordos de cooperação e transferência acadêmica e tecnológica, smartcities e desenvolvimento econômico e social. Morou na Espanha, Itália, França e Suíça.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by