AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONALPOLÍTICAS PÚBLICASSociedade Internacional

[:pt]EUA ameaçam intervir com força unilateral na Síria, caso haja hesitação da ONU[:]

[:pt]

A última terça-feira, 4 de abril, foi marcada por uma grande tragédia na Síria, que atingiu adultos e crianças de todas as idades, por consequência de um ataque feito com armas químicas. O bombardeio aéreo liberou gás tóxico na cidade de Khan Shaykhun, província de Idlib, localizada na região noroeste do país. Segundo a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos, estima-se que 92 pessoas morreram, dentre elas 20 eram crianças, e mais de 160 ficaram feridas. O responsável ainda não foi identificado.

Após o choque ocasionado pelas imagens do ataque, o Conselho de Segurança da ONU realizou uma reunião de urgência para discutir e condenar o ocorrido. Durante a reunião, e mesmo sem provas do verdadeiro responsável, os Estados Unidos (EUA), a França e o Reino Unido afirmam que as características do ataque são semelhantes as do regime de Bashar al-Assad. A Rússia, por sua vez, se posicionou contra ao julgamento dos países, ao dizer que eles estavam “obcecados em derrubar o governo de Assad”.

Contudo, ainda sob protestos russos, os EUA juntamente com a França e o Reino Unido, apresentaram para o Conselho um rascunho de Resolução, o qual continha um pedido de investigação exaustiva sobre o ataque. A investigação, segundo o pedido dos países, deveria acontecer em uma localidade rebelde próxima da província de Idlib. No entanto, a Rússia, que é um forte aliado no Governo de Assad, interpretou o rascunho como sendo “categoricamente inaceitável”, tendo como objetivo “antecipar resultados e apontar culpados”.

Ao fim da reunião, o Governo russo, por meio de seu Ministério de Defesa, disse que “as forças aéreas sírias bombardearam um ‘armazém terrorista’ com ‘substancias toxicas’, o que teria causado o vazamento do material”. Tendo em vista o impasse na decisão do Conselho, a reunião terminou sem possíveis soluções, e foi por esse motivo que os EUA, por meio de sua Embaixadora, Nikki Haley, se posicionou dizendo que quando a ONU fracassa em pôr em prática os seus principais objetivos em atuar de forma coletiva, ela acaba dando margem para que os Estados atuem por conta própria.

Posteriormente, o Presidente norte-americano, Donald Trump, realizou um pronunciamento da Casa Branca afirmando que possui obrigação de reagir mediante o ataque, pois as mortes “foram uma afronta à humanidade e a ação do regime de Assad não pode ser tolerada”. Dado isso, a reação veio de forma imediata do Governo estadunidense. Alguns dia após o seu pronunciamento, na madrugada do dia 7 de abril, última sexta-feira, os EUA realizaram um ataque surpresa contra o regime sírio, utilizando mísseis Tomahawk, os quais atingiram a base aérea de Shayrat, que fica ao norte da Síria.

———————————————————————————————–                    

Imagem 1 Localização de Khan Shaykhun na Síria” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ataque_qu%C3%ADmico_de_Khan_Shaykhun#/media/File:Syria_location_map3.svg

Imagem 2 Míssil Tomahawk sendo lançado do USS Philippine Sea e do USS Arleigh Burke em alvos do Estado Islâmico” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Interven%C3%A7%C3%A3o_militar_na_S%C3%ADria#/media/File:Tomahawk_Missile_fired_from_US_Destroyers.jpg

[:]

About author

Graduada em Relações Internacionais (2014) pela Universidade da Amazônia – PA e profissionalmente atua com gestão de empresas. Áreas de interesse em pesquisa são em Marketing e mídias Internacionais, Conflitos bélicos e étnicos de interesse internacional, dentre outros.
Related posts
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataques a capacetes azuis no Mali

ECONOMIA INTERNACIONALEURÁSIANOTAS ANALÍTICAS

Rússia apresenta reservas financeiras maiores que saldos devedores

ÁSIAEURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia compete com China por influência no Sudeste Asiático

AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

ONU HABITAT estimula a gestão dos resíduos nas cidades

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by