AMÉRICA DO NORTECOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

[:pt]EUA atinge meta de reinstalação de refugiados sírios: 0,2% do total de deslocados no mundo[:]

[:pt]

Nesta última segunda-feira, 29 de agosto, a Casa Branca afirmou ter cumprido sua meta de reassentar 10.000 refugiados sírios neste ano (2016). O total equivale a cerca de 0,2% do número total de refugiados sírios registrados junto às Nações Unidas. Muitos organismos de direitos humanos urgem aos Estados Unidos que aceitem mais refugiados da Síria. De acordo com o Alto Comissariado para Refugiados das Nações Unidas (ACNUR, ou UNHCR, na sigla em inglês), atualmente, 4,808 milhões de sírios estão nesta condição.

A admissão deles em território norte-americano é parte de um programa de reassentamento anunciado pelo presidente Obama, em outubro de 2015. Sob pressão da Europa e de outros países que vem enfrentando a crise migratória global, Obama prometeu conceder status legal a pelo menos 10.000 refugiados sírios no ano fiscal de 2016. Também alocando US$ 4 bilhões para grupos humanitários que trabalham com refugiados. A meta foi atingida um mês antes do cronograma, mas a maioria dos refugiados foi admitida somente nos últimos três meses de 2016. Os meses de Junho, Julho e Agosto registraram o recebimento de cerca de 2.500 refugiados cada. Em 2015, a média mensal não passou de 250, e em anos anteriores beirava a zero.

De acordo com o Jornal The New York Times, os refugiados que chegaram da Síria desde 2012 foram alocados em 231 vilarejos e cidades. Michigan e Califórnia tomaram a maioria, com 570 e 500, reportou o The Atlantic. Alguns deles chegaram a grandes cidades como Chicago e Houston, mas a maioria foi enviada para cidades médias mais acessíveis e com maiores índices de emprego. Os refugiados recebem ajuda para encontrar trabalho e moradia, mas espera-se que se tornem autossuficientes dentro de um ano. Eles também foram instalados em localidades que já contemplassem outros imigrantes sírios – 150.000 deles já vivem no país. Boise, em Idaho, aceitou mais do que Nova York e Los Angeles juntos; Worcester, Massachusetts, aceitou mais que Boston.

Desde o início da Guerra Civil síria, em 2011, os EUA admitiram um total de quase 12.000 refugiados em solo nacional, somente 2.000 deles sendo recebidos entre 2011 e 2015. No ano fiscal de 2015, apenas 2% dos 70.000 refugiados admitidos eram sírios. A maioria era de Mianmar, Iraque e Somália.

Após parabenizar o anúncio da Casa Branca, Tarah Demant, diretora sênior da Anistia Internacional norte-americana declarou que “muitos sírios ainda estão presos em circunstâncias terríveis em campos de refugiados ou em zonas de guerra”. E que “os Estados Unidos devem fazer mais para manter sua responsabilidade de fazer todo o possível para proteger aqueles que fogem de abusos aos direitos humanos”.

Os refugiados sírios totalizam 4.808.229 no estrangeiro e 6,6 milhões de deslocados internos na Síria. Somente na Turquia vivem 2.724.937; no Líbano, 1.033.513 sírios formam cerca de um quinto da população total do país; enquanto 656.198 estão registrados da Jordânia, outros 114.911 no Egito e 249.395 no Iraque, conforme dados da ACNUR.

———————————————————————————————–                    

ImagemSírios caminham em direção à região do Curdistão Iraquiano em 17 de agosto de 2013” (FonteACNUR/G. Gubaeva):

http://data.unhcr.org/syrianrefugees/syria.php

[:]

About author

Doutoranda e mestre pelo programa de Ciência Política da USP e diretora de Relações Internacionais do Icarabe, Instituto da Cultura Árabe. Possui bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo e pós-graduação em Política e Relações Internacionais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). É integrante do Grupo de Trabalho sobre Oriente Médio e Mundo Muçulmano na Universidade de São Paulo (GT OMMM).
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by