fbpx
AMÉRICA DO NORTEÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

EUA e Coreia do Norte: a escalada das tensões em meio a busca por estabilidade

Em seu primeiro discurso como presidente dos EUA na Assembleia Geral das Nações Unidas, em sua 72a Sessão, o presidente Donald Trump manteve o enfoque beligerante contra o regime norte-coreano de Kim Jong-un.

Pintura de Kim Il-sung e Kim Jong-il no topo da Montanha Baekdu

O tom e as ações empregadas até o momento por Washington e Pyongyang têm rendido apreensão à comunidade internacional, que se esforça para que questões diplomáticas voltem a ser prioritárias na tensa disputa na península coreana. Nesse sentido, de acordo com órgãos de imprensa, e confirmado por suas respectivas chancelarias, EUA e China têm mantido diálogo contínuo no curso das últimas duas semanas.

Através de uma declaração emitida pela Casa Branca, no dia 18 de setembro, o Presidente chinês, Xi Jinping, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discutiram a crise norte-coreana por telefone e apontaram “o contínuo desafio da Coreia do Norte à comunidade internacional e seus esforços para desestabilizar o Nordeste da Ásia”.

A declaração entregue à imprensa ainda aponta que “os dois líderes se comprometeram a maximizar a pressão sobre a Coreia do Norte por meio da aplicação vigorosa das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas”.

Na versão chinesa da aproximação bilateral, a discussão sobre a Coreia do Norte foi significativamente minimizada e relegada a uma única frase: “Os dois líderes também trocaram pontos de vista sobre a situação atual na península coreana”.

Embora o Ministério das Relações Exteriores da China tenha se apressado em produzir uma declaração mais sucinta, alguns especialistas apontam que a ansiedade mútua em relação à crise é evidente. Beijing tende a demonstrar menos disposição em comparação aos Estados Unidos em condenar publicamente Pyongyang, em parte por razões culturais e geoestratégicas.

Pintura Leonid Li que ilustra soldados supostamente estadunidenses torturando uma jovem norte-coreana

Entretanto, a versão chinesa do diálogo entre os dois líderes demonstra também o firme compromisso de Xi Jinping de “realizar a desnuclearização da península coreana”, o que pode indicar uma crescente frustração com o regime de Kim Jong-un.

Segundo Michael D. Swaine, do Programa Ásia do Carnegie Endowment for International Peace, há, contudo, a necessidade de formuladores de políticas nos Estados Unidos, China, Coreia do Sul e Japão adotarem uma abordagem mais realista, centrada na dissuasão, contenção e uma série de medidas de gerenciamento de crises.

Mediante tal conjuntura, o uso da força, ou outra opção de alto risco contra a República Popular Democrática da Coreia (DPRK, na sigla em inglês), não oferece chance de sucesso sem o apoio total e voluntário da República da Coreia (ROK, na sigla em inglês). Sem esse amparo, um ataque dos EUA à Coreia do Norte provavelmente enfraqueceria a aliança com Seul, minando, a curto prazo, os esforços para controlar e concluir com êxito o conflito.

Com base nesse resultado hipotético, a histórica aliança EUA-ROK perderia em credibilidade, o que poderia acarretar em que Seul e Tóquio busquem a aquisição futura de armamento nuclear como um processo de dissuasão, criando um ambiente de segurança regional mais instável do que o atual.

Ainda em complemento ao exposto por Michael Swaine, em seu artigo intitulado, “Time to Accept Reality and manage a Nuclear-Armed North Korea”, a condicionante para a liderança norte-coreana é de utilizar seu arsenal nuclear principalmente como impedimento a um eventual ataque, mas também como símbolo da potência e do status do regime.  Ou seja, é uma ferramenta de propaganda doméstica e fonte de extorsão de benefícios de outros países e potencial meio de influência política e crescimento econômico através da exportação de materiais e tecnologia nuclear.

Com um quadro de grande instabilidade, na qualidade de líderes globais com responsabilidades pela manutenção do status quo vigente, é provável que Estados Unidos, China, Coreia do Sul, Japão e Rússia se concentrem na contenção através de mecanismos de gerenciamento de crises e canais de comunicação, enquanto implementam novas medidas para excluir a escalada militar.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Pintura de Leonid Li que dialoga sobre o esforço nortecoreano na Guerra da Coreia” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/[email protected]/33588110483/in/photolist-Tb4R4a-UpCyyM-Tb4jqB-T8fBh9-UpCPbn-UkX4Vm-NZ3nW3-NZ3mHw-NZ3ndE-EzjvUR-EzjvGX-AGDoXW-P7a8wj-btbf6z-T8fEU9-UazZQ5-UpCfLx-UazYXy-Pbkeft-PbkdXK-EAj5zB-P3wGh6-PbkdcX-EAj6TZ-AHBr97-EAj5rF-Pbkd14-AHBr6w-EAj5JV-P3wF56-P3wG5c-EAj6PF-EAj5pg-P3wETz-P13vGN-PbkcvB-TPDS67-TPE5Y1-UaAce7-TPE6e1-Ud6RAg-Tb4xzc-UpCLf2-UpD8Dp-Ud6YeM-Tb4MXk-UaAgum-Tb4NKn-Tb4iVD-Tb4yqv

Imagem 2Pintura de Kim Ilsung e Kim Jongil no topo da Montanha Baekdu” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Coreia_do_Norte#/media/File:Sinpyong_Lake,_North_Korea_(2921982738).jpg

Imagem 3Pintura Leonid Li que ilustra soldados supostamente estadunidenses torturando uma jovem nortecoreana” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/[email protected]/33556265874/in/photolist-T8fCLb-Tb4Qmi-T8fBPm-UpCMa8-UaAbz1-Tb4xc8-TPDSq5-UazZsw-TPE5RC-UpCNjH-Tb4Nve-Tb4qUi-HTXt1U-hpcwjK-Nn2nXz-XUvR4G-T6bLkD-M3kwMS-WzFQQo-W41mG1-WzFQzy-WDhx4c-Vn6139-VHE4eb-LGmZGq-tohJkk-DNvpHJ-DQFCfV-D2xaLH-DYVWp8-DqrNET-DqrMRP-D2cYiw-DNvnNb-DWB9ij-DwPxPw-x57PGz-owf1Py-wxjLfA-ovZKm6-x4JE4b-wZNjbk-wLwYH5-wBs4CJ-wShY6q-ouFWJi-wgV1TG-ouf68E-wShT7h-x5Ka4o

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) pela Faculdades de Campinas (FACAMP), Especialista em Direito Internacional pela Escola Paulista de Direito (EPD) e Especialista em Política Internacional pelo CEIRI (Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais). Atuou em duas grandes multinacionais do setor de tecnologia e na área de Cooperação Internacional na Prefeitura Municipal de Campinas com captação de recursos externos, desenvolvimento de projetos na área econômica e comercial e buscando oportunidades de negócios para o município. Foi Consultor de Novos Negócios na Avanth International em Campinas/SP e atualmente é Analista de Foreign Trade e Customer Care na Novus International Inc. Escreve sobre América do Norte com foco nos Estados Unidos.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!