fbpx
AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

EUA oferecem mediar cessar-fogo entre israelenses e palestinos

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu ajuda na última sexta-feira, dia 11 de julho, para que israelenses e palestinos cheguem a um Acordo de Cessar-Fogo. A tensões, que começaram há quatro dias, surgiram apenas meses após o fracasso das negociações de paz mediadas pelo Secretário de Estado Americano, John Kerry. Apesar de afirmar que Israel tem o direito de se proteger, Obama demonstrou preocupação com uma possível escalada na violência, condenou o disparo de foguetes pelo Hamas e afirmou que todas as partes devem fazer o possível para proteger a vida dos civis[1].

Apenas nos quatro primeiros dias de hostilidades, cerca de 550 foguetes foram disparados a partir de Gaza em direção a Israel. Três foguetes que iam diretamente ao centro da capital Tel Aviv foram interceptados pelo sistema de escudo israelense “Domo de Ferro” na sexta-feira, fazendo disparar as sirenes de emergência na cidade. Já em Ashdod, cidade ao sul da capital, oito pessoas ficaram feridas, uma gravemente, quando um foguete atingiu um posto de gasolina. Em contrapartida, Israel têm respondido com ataques aéreos e navais à Faixa de Gaza que, de acordo com notícias divulgadas na mídia, chegou a 165 mortos palestinos e mais de 1.000 feridos[2].

Na sexta-feira, as Nações Unidas condenaram os ataques. Segundo a Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, a entidade tem recebido relatórios afirmando que muitas mortes palestinas decorreram de ataques aéreos a casas, o que colocaria em dúvida a legalidade da ação israelense perante a Lei Internacional Humanitária, que não permite ataques à civis[3]. A ONU afirmou ainda que, até o momento, 342 casas em Gaza foram destruídas ou danificadas, deixando 2.000 famílias sem teto[4].

No entanto, Israel afirma que seus alvos são instalações militares ou militantes com objetivo de autodefesa e não civis. Conforme manifestou Netanyahu, o país considera todas as possibilidades para acabar com os bombardeios palestinos e, durante a madrugada de ontem, domingo, dia 13, ocorreu uma incursão do Exército em Gaza[5], sabendo-se que anteriormente 20.000 homens teriam sido chamados da reserva do Exército.

Até o momento a batalha está progredindo como planejado, mas podemos esperar outros estágios no futuro[6], havia declarado o Primeiro-Ministro em entrevista coletiva na última sexta-feira, dia 11, complementando sua declaração afirmando que “Nenhuma pressão internacional vai nos impedir de agir com todo poder[7], algo que se confirmou na madrugada de sábado para domingo.

O líder do Hamas, Mahmoud Zahar, também manteve uma posição firme e afirmou que o grupo só concordaria com um cessar-fogo se certas condições fossem atendidas, como o fim do cerco e bloqueio israelense à Gaza e a liberação de prisioneiros palestinos. “Estamos prontos para continuar com essa batalha em uma escala ainda maior do que agora, durante meses[8], declarou Zahar em entrevista à rede de televisão do Hamas.

Na última sexta-feira, John Kerry, pediu que os primeiros-ministros do Egito e do Qatar utilizem sua influência com o Hamas para parar os ataques. Em 2012, o Egito teve um importante papel no Acordo de Paz que acabou com as hostilidades então presentes, mas, até o momento, o país não quis se envolver, já que o presidente Abdel Fattah al-Sisi é hostil ao grupo e seu possível envolvimento com militantes egípcios no Deserto do Sinai[8].

França e Rússia também pediram que os dois lados considerassem um Acordo. Já o Secretário Geral da ONU, Ban Ki Moon, exigiu moderação e um cessar-fogo imediato, pois o “Oriente Médio não poderia lidar com outra guerra de grandes proporções[9].

———————————————————-

Imagem (FonteSaid Khatib/ AFP / Getty Images):

http://www.theguardian.com/world/2014/jul/11/israeli-air-strikes-gaza-continue-us-barack-obama-offers-broker-ceasefire?utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_term=%2AMideast%20Brief&utm_campaign=2014_The%20Middle%20East%20Daily_6.11.14

———————————————————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.bbc.com/news/world-middle-east-28258448

[2] Ver:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/07/israel-envia-unidade-a-gaza-e-anuncia-bombardeios.html

[3] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2014/jul/11/israeli-air-strikes-gaza-continue-us-barack-obama-offers-broker-ceasefire?utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_term=%2AMideast%20Brief&utm_campaign=2014_The%20Middle%20East%20Daily_6.11.14

[4] Ver:

http://www.ft.com/intl/cms/s/0/bd0c1cfa-08c2-11e4-8d27-00144feab7de.html?siteedition=uk&utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_term=*Mideast%20Brief&utm_campaign=2014_The%20Middle%20East%20Daily_6.11.14#axzz37Gaqh5fL

[5] Ver:

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2014/07/13/Israeli-commandos-clash-with-Hamas-gunmen-in-Gaza-.html

[6] Ver:

http://www.bbc.com/news/world-middle-east-28258448

[7] Ver:

http://www.reuters.com/article/2014/07/11/us-palestinians-israel-idUSKBN0FC0JP20140711?utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_term=%2AMideast%20Brief&utm_campaign=2014_The%20Middle%20East%20Daily_6.11.14

[8] Ver:

http://www.ft.com/intl/cms/s/0/bd0c1cfa-08c2-11e4-8d27-00144feab7de.html?siteedition=uk&utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_term=*Mideast%20Brief&utm_campaign=2014_The%20Middle%20East%20Daily_6.11.14#axzz37Gaqh5fL

[9] Ver:

http://www.bbc.com/news/world-middle-east-28258448

About author

Mestranda em Segurança Internacional com especialização no Oriente Médio e em Inteligência pela Sciences Po Paris. Graduada em Jornalismo pela PUC-Rio. Foi bolsista CNPQ para estudo do uso da mídia nas eleições municipais de 2012 no Rio de Janeiro.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!