BLOCOS REGIONAISECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICAS

[:pt]Eurogrupo avalia situação da Zona do Euro e divulga seu plano de trabalho para o primeiro semestre de 2017[:]

[:pt]

Mensalmente, os Ministros das Finanças dos países que integram a Zona do Euro se reúnem para discutir as obrigações conjuntas relacionadas à integração monetária europeia. Estas conversas acontecem no âmbito do Eurogrupo, uma instância informal de coordenação instalada no bojo do Conselho da União Europeia. A reunião deste mês (dezembro) foi realizada no dia 5, em Bruxelas, um dia antes da reunião do Conselho da União Europeia, encarregado dos assuntos econômicos e financeiros.

O Eurogrupo trouxe informações otimistas sobre os indicadores da área do euro para 2017. As projeções indicam que os 19 países que integram o grupo devem entrar no quinto ano de taxas de crescimento positivas, ainda que com ritmos de recuperação diferentes. Além do avanço dos níveis de emprego e da demanda interna, espera-se também que os níveis de investimentos finalizem um longo período de baixa.

Pautada por este cenário, a reunião apresentou três eixos principais. No primeiro, o Eurogrupo analisou os planos orçamentários propostos pelos Estados que adotam o euro, tendo como base a comunicação da Comissão Europeia sobre os projetos orçamentários apresentados pelos respectivos Estados. Neste aspecto, o Eurogrupo endossou o risco destacado pela Comissão acerca da possibilidade de não cumprimento das regras orçamentárias detalhadas no Pacto de Estabilidade e Crescimento* (PEC). Oito países estão nesta situação: Bélgica, Chipre, Finlândia, Itália, Lituânia, Portugal, Eslovênia e Espanha. Sendo que a Itália recebeu um chamado específico do Eurogrupo para adotar as medidas necessárias para atingir o especificado na PEC.

A situação da economia grega compôs uma pauta à parte e foi concentrada na segunda avaliação do programa de ajuste econômico que o país tenta implementar desde 2015. Foi informado que a Grécia e as instituições credoras chegaram a um acordo quanto ao cumprimento do superávit primário de 1,75% do seu Produto Interno Bruto para 2017, com elevação para 3,5%, em 2018. Contudo, permanece em aberto o pleno cumprimento do acordo firmado em 2015 sobre a recuperação econômica grega. A esse respeito, Jeroen Dijsselbloem, Presidente do Eurogrupo, declarou que “está claro que mais ações são necessárias [para o cumprimento do acordo]. As partes estão preparadas e de prontidão para retornar a Atenas e trabalhar no assunto. Esta é a situação atual” (tradução livre).

O terceiro eixo da discussão foi a adoção do plano de trabalho semestral do Eurogrupo. A principal agenda será a coordenação da política econômica com vistas a garantir a solidez das finanças públicas. Isso se dará por meio de aplicação de reformas estruturais e monitoramento das políticas orçamentárias dos Estados para garantir a estabilidade financeira e macroeconômica da área do euro. Os trabalhos relativos ao reforço da união bancária e à avaliação dos países em processo de ajuste econômico, caso da Grécia, ou que recentemente saíram desta situação, como Chipre, Irlanda, Portugal e Espanha, completam a agenda de trabalho para o primeiro semestre de 2017.

———————————————————————————————–                    

Notas:

* O Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) é um conjunto de regras destinado a garantir que os países da UE se empenham em sanear as suas finanças públicas e em coordenar as suas políticas orçamentais.

———————————————————————————————–                    

ImagemDa esquerda para a direita: Sr. Pierre Moscovici, Membro da Comissão Europeia; Mr. Jeroen Dijsselbloem, Presidente do Eurogrupo; Sr. Klaus Regling, Diretor do Mecanismo de Europeu de Estabilidade” (Fonte):

https://tvnewsroom.consilium.europa.eu/event/eurogroup-meeting-december-2016-5834656a0e49f/eurogroup-meeting-final-press-conference-05-12-16-bruxelles-05-12-16#/gallery/0

[:]

About author

Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestre em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência acadêmica nas áreas de governança internacional, estudos europeus e regimes internacionais. Atualmente é Analista de Relações Internacional na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com atuação nas áreas de articulação, desenvolvimento e cooperação internacional. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, Políticas Globais, Europa, Cooperação Técnica e Cooperação Científica.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by