ESPORTENOTAS ANALÍTICAS

Fato histórico e diálogos bilaterais inéditos pós PyeongChang

Apesar das tensões na península coreana entre as adjacentes do Sul e do Norte por conta de divergências político-ideológicas, houve um avanço histórico na negociação bilateral entre os dois países após declaração do COI (Comitê Olímpico Internacional), ao confirmar a participação de atletas norte-coreanos nos Jogos Olímpicos de Inverno 2018, realizado em PyeongChang, na Coreia do Sul.

Em oito anos, esta edição foi a primeira com participação da Coreia do Norte nas Olimpíadas de Inverno. A última conquista do país no evento foi uma medalha de bronze na patinação de velocidade feminina, em 1992. Quanto aos Jogos Olímpicos de Verão, os atletas norte-coreanos participaram de todas as edições desde 1972, com exceção de 1984 (Los Angeles, EUA) e 1988 (Seoul, Coreia do Sul), ambos por boicote.

O acordo foi formalizado no dia 9 de janeiro de 2018 por Cho Myoung-gyon, Ministro de Gabinete da Coreia do Sul, responsável pelas relações com o Norte, e sua contraparte, o norte-coreano Ri Son-kwon. A cidade de Panmunjom, na região da fronteira mais perigosa do mundo – mesmo local onde fora assinado o armistício que deu um fim “extraoficial”* à Guerra da Coreia, em 1953 –, foi palco desta reunião transmitida ao vivo para as capitais Seul e Pyongyang.

Norte e sul-coreanos levam a bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos

Como forma de simbolizar a aliança pacífica, as duas delegações marcharam juntas na cerimônia de abertura da competição, sob a bandeira branca com o desenho da península da “Coreia Unificada”, ostentada por dois membros da delegação: Chung Gum, do hockey no gelo e nascido no Norte, e Yunjong Won, do bobsled e nascido no Sul.

Também contribuíram com atletas dos dois países, pela primeira vez na História dos Jogos Olímpicos, com o objetivo de formar um único time para a disputa de modalidades esportivas, como foi o caso do hockey feminino. A equipe formada por 12 jogadoras norte-coreanas e 23 sul-coreanas – respeitando o fair play de 22 atletas relacionadas por jogo – perdeu todas as disputas, sofrendo 28 gols para apenas dois gols marcados em cinco partidas, o que lhe garantiu a última colocação no grupo.

Time unificado de Hockey feminino, em partida contra Suécia

O atual presidente da Federação Internacional de Hochey no Gelo (no inglês, International Ice Hockey Federation – IIHF), René Fasel, endossou a iniciativa que vai ao encontro com o “ideal olímpico de paz através do esporte”. Neste mesmo sentido, Lee Hee-beom, diretor do Comitê Organizador da Olimpíada de PyeongChang 2018, enalteceu a colaboração internacional entre os dois países e disse que desde o começo tudo foi preparado para a participação da Coreia do Norte.

Ao que tudo indica, este espírito de concessões para um bem maior contagiou o cenário político e catalisou um encontro inédito que está previsto para acontecer em maio deste ano (2018). Dois dos líderes contemporâneos mais polêmicos em suas declarações, principalmente no que diz respeito à questão das armas nucleares, Donald Trump e Kim Jong-um, confirmaram que o diálogo pessoal irá acontecer, ainda que sem data e nem local decididos, por enquanto.

Em pauta do encontro estão, além do compromisso com a desnuclearização, a repatriação de americanos impedidos de deixar a Coreia do Norte e a assinatura de um acordo de paz. Representantes do Governo norte-coreano alegam que esta decisão não foi tomada pela pressão das sanções encorajadas pelos Estados Unidos contra o país socialista. Todavia, para Bruce Bennett, analista da consultoria RAND Corporation, há motivos para acreditar no sucesso das medidas restritivas.

Antes disso, no entanto, as relações bilaterais de Kim Jong-un já lograram êxito no continente asiático. Em sua primeira viagem diplomática desde que assumiu o poder em 2011, o Presidente norte-coreano fez uma visita secreta** à capital da China, Pequim, sua parceira estratégia desde a Guerra da Coreia. Para abril, está confirmado o diálogo do sucessor de Kim Jong Il com o presidente sul-coreano, Moon Jae-In, na mesma cidade em que fora assinado o armistício de 1953 e acordada a participação norte-coreana na Olimpíada de Inverno 2018: a zona desmilitarizada de Panmunjom.

———————————————————————————————–

Notas:

As Coreias permanecem tecnicamente em guerra, pois a Guerra da Coreia de 1950-1953 terminou em um Armistício, e não em um Tratado de Paz.

** O anúncio do encontro foi divulgado somente após o retorno de Kim ao seu país, no dia 26 de março de 2018.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 “Desfile daCoréia Unificada na cerimônia de abertura” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Opening%20Ceremony#2018-winter-olympic-games-opening-ceremony-785

Imagem 2 “Norte e sulcoreanos levam a bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Opening%20Ceremony#2018-winter-olympic-games-opening-ceremony-1103

Imagem 3 “Time unificado de Hockey feminino, em partida contra Suécia” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Korea#ice-hockey-winter-olympics-day-3-147

About author

Pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais pela Business School São Paulo (BSP), Bacharel em Relações Internacionais no Centro Universitário Fundação Santo André - Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas. Bolsista pelo CNPq em 2009 com o projeto de iniciação científica "A Soberania Nacional em face dos Tratados Bilaterais: A Questão do Tratado de Itaipu". Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Atitude e Ideologias Políticas, atuando principalmente nos seguintes temas: integração, direito, democracia, segurança e negociação internacional. Em sua carreira, conquistou o cargo de Gerente de Negócios Internacionais. Está em contato com o comércio exterior, aprofundando seu conhecimento e focando suas habilidades para os procedimentos de importação. Já participou de diversas feiras internacionais, representando sua empresa, tendo a função de estreitar o relacionamento com fornecedores, investidores e clientes estrangeiros, além de trabalhar a marca da empresa e conquistar distribuições em diferentes continentes.
Related posts
NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Laboratório da Samsung na Rússia na vanguarda dos “deepfake”

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Extinction Rebellion toma conta das ruas de Londres, em protesto pelo clima

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Peru sedia concurso mundial de azeite de oliva

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataques a capacetes azuis no Mali

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by