EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Fracassam negociações de Le Pen para criação de grupo partidário contrário às políticas da UE

Após um resultado significativo nas últimas eleições para o Parlamento Europeu (PE), no último mês de maio, a presidente do partido francês Frente Nacional, Marine Le Pen, não obteve sucesso nas negociações que visavam à criação de um grupo partidário contrário às políticas da União Europeia (UE) – a chamada Aliança Europeia pela Liberdade, do inglês, European Alliance for Freedom (EAF) – que atuaria no próprio Parlamento Europeu.

Tal Aliança consistia na união de partidos nacionais descritos, usualmente, como pertencentes à “extrema-direita”, cujo projeto de criação era encabeçado pela própria Le Pen, assim como por Geert Wilders, líder do Partido pela Liberdade, dos Países Baixos. O Partido pela Liberdade, da Áustria; a Liga do Norte, na Itália; e o Vlaams Belang, partido que representa a comunidade flamenga da Bélgica, apoiaram a criação da Aliança Europeia pela Liberdade.

Contudo, a criação de grupos partidários no PE – que implicam na disponibilidade de maiores fundos, tempo de fala na instituição e a ocupação de posições importantes nos Comitês – necessitam de, no mínimo, 25 parlamentares de, pelo menos, sete Estados-membros da UE.

As negociações com o Poland’s Congress of the New Right (KNP) não resultaram em um acordo, pois há incompatibilidades de valores, segundo o comunicado emitido pela Frente Nacional[1]. O KNP é conhecido pelas políticas antissemitas e pela defesa de que as mulheres deveriam perder o direito ao voto.

Florian Philippot, Vice-Presidente da Frente Nacional, afirmou: “Nós não temos nenhum grupo, por enquanto, pelo menos. Mas os nossos deputados, que são mais numerosos do que em qualquer outra parte da delegação francesa [no Parlamento Europeu], estarão lá para defender a França em qualquer circunstância, com ou sem um grupo[1]. De forma semelhante, Geert Wilders declarou que a inexistência de um acordo entre os partidos “anti-sistema”* não implica que ele não possa ser obtido posteriormente[2].

—————————————————

* Denominação usualmente utilizada ao se referir aos partidos eleitos ao PE que possuem uma visão contrária à integração europeia.

—————————————————

Imagem (Fonte):

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/11/European-parliament-strasbourg-inside.jpg

—————————————————

Fontes:

[1] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2014/jun/24/marine-le-pen-fails-form-far-right-bloc-european-parliament

[2] Ver:

http://euobserver.com/eu-elections/124719

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!