fbpx
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

França revela plano para “terceira revolução industrial”

O presidente francês François Hollande revelou na última quinta-feira, dia 12 de setembro, um ambicioso plano para reviver o abalado setor industrial da França. Junto de seu ministro para a Indústria, Arnaurd Montebourg, Hollande afirmou que a idéia por detrás do plano é recolocar a França no topo do ranking dos países industrializados.

Ainda que o país esteja em pleno momento de contensão de despesas, tendo de economizar 18 milhões de euros (aproximadamente 56 milhões de reais) no seu orçamento para 2014, o plano de Hollande prevê para os próximos anos o equivalente a 3,4 bilhões de euros (ou aproximadamente 10,2 bilhões de reais) para reviver 34 setores industriais na França[1]. Montebourg reafirmou que “a industria francesa perdeu mais de 750.000 empregos nos últimos 10 anos e que a idéia por trás do plano é recuperar ao menos 450.000[1].

A seleção desses 34 “planos de batalha”, ainda segundo Montebourg, se basearam em “produtos e serviços claramente identificados (…) onde a França, no caso suas empresas, já possuem uma noção de sentido, de direção e de conteúdo[2].  Tal estratégia visa então priorizar a criação das chamadas “campeãs francesas”, ou empresas e/ou serviços que representam setores onde a França tem potencial para criar empresas fortes[1]

O diferencial deste plano é o papel do Estado francês e os tipos de projetos priorizados. Como parte da estratégia, a cada seis meses, o Executivo conduzirá  uma etapa desse “plano de batalha”, que terá três prioridades: transição energética; economia do ser vivo (saúde e alimentação) e novas tecnologias[2]

Entretanto, críticos apontam que tal procedimento é demasiadamente protecionista, pois o Estado irá controlar grande parte do desenvolvimento do setor industrial francês, priorizando principalmente o que o governo acredita ser potencialmente benéfico para a França[3]

No entanto, para defender seu ponto de vista, Hollande citou também o fato de outros países possuírem planos traçados para suas indústrias nacionais há anos e agora é finalmente a hora da França fazer o mesmo[1]. Este reafirmou que a idéia não é substituir a iniciativa privada, mas sim promover apoio em forma de leis mais amigáveis à industria e isenções fiscais, por exemplo, reiterando apenas o papel do Estado de acompanhar e estimular o setor industrial[2]

————————

Imagem O presidente da França François Hollande  (à frente) e o seu Ministro da Indústria Arnaud Montenbourg” (Fonte):
http://haute-normandie.france3.fr/sites/regions_france3/files/styles/top_big/public/assets/images/hollande-montebourg.jpg?itok=VkV21Ou4

————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.euractiv.com/innovation-enterprise/35-plan-third-industrial-revolut-news-530438

[2] Ver:

http://www.europe1.fr/Politique/Hollande-promet-la-troisieme-revolution-industrielle-1638301
[3] Ver:

http://www.lemonde.fr/economie/article/2013/09/12/francois-hollande-reinvente-le-colbertisme_3476402_3234.htm

About author

Mestre em Estudos Europeus pela Universidade Católica de Louvain e Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade da Amazônia - UNAMA. Estagiou durante um ano na Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia onde atuou na área de promoção do Comércio Exterior do Estado do Pará e, ao mesmo tempo, trabalhou como voluntario no GADE, grupo interessado em promover o voluntariado no Estado do Pará. Sempre interessado por integração europeia, realizou pesquisas envolvendo temáticas sobre a Política Agrícola Comum Europeia e sua relação com o livre-comércio e também sobre a evolução do Mercado Único e do setor de serviços da União Europeia. Morou seis meses em Varsóvia onde foi estudante Erasmus na Warsaw School of Economics.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!