Sem categoria

Gabinete de Boris Johnson dá aval a novo sistema de imigração

Em reunião, no dia 14 de fevereiro de 2020, o Gabinete de Boris Johnson deu aval aos planos para a implementação de um novo sistema nacional de imigração no período pós-Brexit. Apesar de o Reino Unido ter saído oficialmente da União Europeia no dia 31 de janeiro de 2020, é somente a partir do dia 1o de janeiro de 2021 que efetivamente novas regras regerão a futura relação entre o país e o bloco. Dentre as mudanças mais drásticas está a atribuição de pontos para selecionar imigrantes que desejam trabalhar no Reino Unido. O esquema pretende beneficiar a mão-de-obra altamente especializada e áreas de alta demanda.

Capa do relatório sobre o sistema de pontuação para imigrantes a ser implantado no país a partir de 2021

O novo sistema será baseado no existente na Austrália e alocará pontos aos interessados, de acordo com fatores como: idade, qualificação educacional, nível de inglês e área profissional. A ideia é de possibilitar ao governo priorizar áreas profissionais com grande demanda e regiões com pouca mão-de-obra local. O projeto ainda necessita ser transformado em lei.

É importante notar que já existe um esquema de pontuação para trabalhadores estrangeiros de fora da União Europeia, mas, segundo um recente relatório comissionado pelo Governo, ele é inefetivo e de fato não considera a pontuação dos candidatos. O Comitê Consultivo de Migração (MAC – Migration Advisory Committee), responsável pelo relatório, recomenda modificações, de modo a flexibilizar os processos atuais e torná-los mais atrativos aos trabalhadores estrangeiros.

Gráfico mostra uma queda no número de imigrantes vindos da União Europeia desde o referendo de 2016. Em 2018, mais de 300 mil estrangeiros se afixaram no país, destes, cerca de 70 mil eram cidadãos europeus e 230 mil de fora do continente

A imigração foi um dos grandes temas que levaram os eleitores a decidir pela saída da União Europeia durante o referendo de 2016. O princípio de livre circulação de pessoas permite aos europeus trabalhar e residir em qualquer país do bloco, sendo tratados como se fossem um cidadão local. O Brexit trará fim a esse direito, fazendo com que os cidadãos europeus passem pelas mesmas regras de imigração de outros estrangeiros para trabalhar no país.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Gabinete de Boris Johnson em reunião em Londres no dia 14 de fevereiro de 2020” (Fonte): https://www.flickr.com/photos/number10gov/49537118523/

Imagem 2Capa do relatório sobre o sistema de pontuação para imigrantes a ser implantado no país a partir de 2021” (Fonte): https://www.gov.uk/government/publications/migration-advisory-committee-mac-report-points-based-system-and-salary-thresholds

Imagem 3Gráfico mostra uma queda no número de imigrantes vindos da União Europeia desde o referendo de 2016. Em 2018, mais de 300 mil estrangeiros se afixaram no país, destes, cerca de 70 mil eram cidadãos europeus e 230 mil de fora do continente” (Fonte): https://migrationobservatory.ox.ac.uk/resources/briefings/long-term-international-migration-flows-to-and-from-the-uk/

About author

MA em International Relations and Democratic Politics pela University of Westminster, Londres (2016-2017). Graduado em Relações Internacionais pelas Faculdades Integradas Rio Branco (2013). Reside a 5 anos na Inglaterra. Atualmente trabalha para a Comissão Aeronáutica Brasileira na Europa. Possui interesse na área de Integração Europeia, Política Exterior Brasileira e Cristianismo e Relações Internacionais.
Related posts
Boletim EuropaCNP In LocoSem categoria

Coronavírus na Europa

Sem categoria

A Noruega e o Brexit

ANÁLISE - TecnologiaANÁLISES DE CONJUNTURASem categoria

As novas fronteiras do Século XXI

Sem categoria

Iniciativa empresarial Brasileira da ONU cresce em 2018 e se consolidada como referência

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by