fbpx
América do NorteECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

General Motors relança modelo Blazer no México

De acordo com o Jornal El País, o porta-voz da montadora General Motors anunciou na última quinta-feira (dia 21 de junho) que voltará a vender o modelo Blazer da marca Chevrolet, dado o aumento da demanda por modelos do tipo crossover, e que será fabricado no México. A estratégia da multinacional vai em direção oposta às táticas do presidente Donald Trump, que está pressionando a indústria automotiva a aumentar a capacidade de produção nos Estados Unidos.

Trump International Hotel and Tower

Mary Barra, CEO da GM, sempre evita questões sobre a guerra tarifária iniciada pelo republicano com seus principais aliados comerciais e sobre as negociações para revisar o acordo de livre comércio com o Canadá e o México. O executivo simplesmente reitera repetidamente que está trabalhando com a Administração para modernizá-lo.

O modelo Blazer parou de ser produzido em 2005, quando o alto preço da gasolina começou a atingir as vendas de Veículos Utilitários Esportivos, ou SUVs, do inglês “Sport Utility Vehicle”. A decisão de ressuscitá-lo, segundo a empresa, já havia sido tomada antes da reação do presidente a anos atrás. A GM já foi criticada no passado por produzir carros no México que depois são vendidos nos EUA, aproveitando o baixo custo de mão-de-obra no outro lado da fronteira e que nenhuma taxa é paga.

O novo Blazer ocupará um lugar intermediário entre o Equinox e o Traverse, que também foram redesenhados para alcançar o público interessado em carros crossovers, ou seja, aqueles em que a base usada é a de um carro de passeio comum, mesclado com algumas características de um SUV. “É um mercado que continua a crescer e evoluir”, disse o presidente da GM para a América do Norte e chefe de negócios globais da Chevrolet, Alan Batey. Competirá com o Honda Pilot, o Ford Edge, o Nissan Murano ou o Hyundai Santa Fe.

The GM Renaissance Center em Detroit, Michigan

A GM estava concentrada na fabricação do SUV nas fábricas que opera nos EUA, porque a margem de lucro nesses veículos é muito

maior que a dos carros. O novo Blazer, que começou a ser produzido em 1969, é apresentado como uma das principais opções em tecnologia para atingir o público mais jovem.

Trump recentemente ordenou que o Departamento de Comércio examinasse os fluxos de comércio no segmento automotivo, com a intenção de aplicar uma tarifa de até 25%. O sindicato United Auto Workers descreveu a decisão da General Motors como decepcionante, e declarou: “tudo isso acontece quando os funcionários nos EUA estão sendo demitidos”. Entretanto, os fabricantes insistem que a produção no México é necessária para competir com rivais europeus e asiáticos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Chevrolet Blazer” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Chevrolet_Blazer

Imagem 2Trump International Hotel and Tower” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Business_career_of_Donald_Trump

Imagem 3The GM Renaissance Center em Detroit, Michigan” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/General_Motors

                                                                   

About author

Mestrando em Direito Internacional pela Universidade Católica de Santos. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Santos. Experiência acadêmica internacional na Cidade do México e atuação profissional no Consulado do Panamá e no Turismo Nuevo Mundo. Concluiu trabalho de extensão sobre Direitos Humanos e Refugiados, iniciação científica na área do Direito Internacional e da Política Externa Brasileira, sendo esta segunda iniciação premiada em terceiro lugar entre as áreas de ciências humanas e ciências sociais aplicadas da UniSantos em 2015. Atuou como Monitor na disciplina de Teoria das Relações Internacionais­I, durante o último semestre de 2015. Atualmente é monitor e pesquisador do Laboratório de Relações Internacionais da UniSantos em parceria com o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (LARI­IPECI), onde auxilia no desenvolvimento de projetos semestrais pautados por três frentes de pesquisa: 1) Direitos Humanos, Imigração e Refugiados; 2) Política Internacional e Integração Regional; e 3) Relações Internacionais, Cidades e Bens Culturais. Tem objetivo de seguir carreira acadêmica.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!