AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Haiti define calendário de Eleições frente clima político instável

Após um longo período de incertezas com relação à realização das próximas eleições no país, o Governo haitiano anunciou-as para o corrente ano. A primeira rodada de eleições legislativas será realizada em 9 de agosto, sendo o segundo turno previsto para o dia 25 de outubro, junto às eleições locais e presidencial. Caso não haja decisão sobre a Presidência, um segundo turno será realizado em 27 de dezembro[1].

O atual presidente Michel Martelly, do partido Repons Peyizan (Resposta Camponesa), eleito em março de 2011, declarou que está comprometido com a “facilitação de eleições livres e dignas de confiança, independentes, transparentes e inclusivas[1].

As Eleições serão realizadas após três anos de atraso e com o mandato dos parlamentares vencido desde janeiro de 2015. Martelly assumiu o cargo após vários protestos nas ruas e grave crise política ocasionada, sobretudo, pela falta das eleições no país de fala francesa da Comunidade do Caribe (Caricom)[2].

Ao nomear Evans Paul como PrimeiroMinistro, em dezembro de 2014, após a demissão de LaurentLemothe, o então Presidente se comprometeu a realizar novo processo eleitoral no ano que se anunciava. Seu sucessor deverá assumir a liderança do Haiti em 7 de fevereiro de 2016, enquanto que a nova legislatura tem previsão de ser inaugurada em janeiro, conforme a Constituição Haitiana[2].

No entanto, setores do Governo estão preocupados com a segurança durante os processos eleitorais. Fritz Jean-Louis, ministro encarregado da realização das eleições previstas, disse que a ausência de tropas de mantenedores da paz (peacekeepers) da Organização das Nações Unidas (ONU), em seis dos dez Departamentos que participam das eleições, poderia minar os processos de escolha presidencial, legislativa e municipais[3]. Ao longo dos pleitos, somente o Norte, Antibonite, Sul e Oeste terão a presença de peacekeepers, enquanto que efetivos serão retirados do Nordeste, Noroeste, Central, GrandAnse, Nippes e Sudeste.

A preocupação do Governo se deve ao fato de que a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) da ONU iniciou, aos poucos, a retirada de seus efetivos e pretende finalizar a Missão em até dois anos.

————————————————————————————

Imagem Haiti” (Fonte Reprodução Marcelo Camargo/ Fotos Públicas):

http://fotospublicas.com/cinco-anos-depois-terremoto-que-devastou-o-haiti/

————————————————————————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.telesurtv.net/english/news/Haiti-to-Hold-Presidential-Legislative-Elections-This-Year-20150317-0009.html

[2] Ver:

http://www.portugues.rfi.fr/americas/20141226-presidente-martelly-nomeia-evans-paul-como-primeiro-ministro-do-haiti

[3] Ver:

http://www.laht.com/article.asp?ArticleId=2379496&CategoryId=14092&utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter

About author

Doutoranda em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília. Mestre em Relações Internacionais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais, com ênfase em Ciência Política. É assistente de pesquisa do Observatório Político Sul-Americano (OPSA-IESP/UERJ) e Desenvolve atividade de pesquisa no Grupo de Estudos Interdisciplinar de Fronteiras (GEIFRON), da Universidade Federal de Roraima (UFRR).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!