fbpx
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Insegurança Alimentar na África: 9 países e 20 milhões de pessoas em situações críticas

Aproximadamente 20 milhões de pessoas estão em um cenário de insegurança alimentar no leste africano e no centro do continente, em contraste com os 15,3 milhões em julho de 2013[1]. As áreas afetadas incluem regiões da Somália, Uganda, Sudão do Sul, Etiópia, Republica Central da África (RCA), Sudão, Quênia, República Democrática do Congo (RDC) e Tanzânia. Os níveis de Desnutrição Aguda Global (Global Acute MalnutritionGAM) estão acima de 20%, valor que excede o índice considerado emergencial pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de 15%, com foco para Sudão do Sul, República Central da África, Somália e o norte do Quênia. Além disso, observa-se que estes países com índices mais alarmantes – juntamente com a RDC – também são zonas afetadas por conflitos, com, aproximadamente,10 milhões de pessoas.

De acordo com o Relatório lançado pelo Grupo de Trabalho sobre Segurança Alimentar e Nutrição (The Food Security and Nutrition Working Group – FSNWG), ao comparar os dados de julho de 2014 com julho de 2013, apenas a Etiópia apresenta melhorias em relação à segurança alimentar. A situação piorou em Djibout, Uganda, Quênia, Somália, Sudão e Sudão do Sul. A situação permanece igual em Ruanda, Burundi, ao leste da República Democrática do Congo e na República Central da África[2].

Em face à crise, Ertharin Cousin, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), declarou que apesar dos esforços em alcançar o maior número de pessoas possíveis em regiões da Somália, o PMA tem acesso limitado devido às ameaças dos militantes islamitas do al-Shabab[3]. Na Etiópia, pelo menos 2,2 milhões de pessoas precisam de ajuda alimentar. Burundi tem, aproximadamente, 682 mil pessoas situadas nos níveis de “crise” ou “emergência” de insegurança alimentar. Quênia e Uganda possuem 300 mil e 252 mil pessoas nessas condições, respectivamente[4].

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://borgenproject.org/wp-content/uploads/food-security-in-africa.jpg

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/stories/201408141128.html

[2] VerSituation Analysis & Outlook. FSNWG”, disponível em:

http://www.disasterriskreduction.net/fileadmin/user_upload/drought/docs/Regional%20Food%20Security%20Outlook%20July.pdf

[3] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/stories/201408041444.html

[4] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/stories/201408141128.html?page=2

About author

Mestre em Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência como Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no projeto da Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi). Foi representante brasileiro no Capacity-Building Programme on Learning South-South Cooperation oferecido pelo think-tank Research and Information System for Developing Countries (RIS), na Índia; digital advocate no World Humanitarian Summit; e voluntário online do Programa de Voluntariado das Nações Unidas (UNV) no projeto "Desarrollar contenido de opinión en redes sociales sobre los ODS". Atualmente, mestrando em Development Evaluation and Management na Universidade da Antuérpia (Bélgica) e Embaixador Online do UNV na Plataforma socialprotection.org.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!