fbpx
EURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Irã inaugura novo gasoduto e alivia sua dependência do Turcomenistão

No primeiro dia do mês de agosto, o Ministro do Petróleo do Irã, Bijan Zangeneh, inaugurou o último segmento do gasoduto que agora conecta o Golfo Pérsico ao norte do país. O trecho de 170 quilômetros de extensão, que tem capacidade para transferir 40 milhões de metros cúbicos de gás por dia, liga a cidade de Damghan ao porto de Neka, na Costa do Mar Cáspio. O empreendimento custou cerca de 250 milhões dólares e foi inteiramente financiado por empresas locais.

Presidentes Berdimuhammedow e Rohani no Fórum dos Países Exportadores de Gás

Este projeto teve início há uma década, mas foi apenas nos últimos seis meses que as obras ganharam ímpeto. Isto se deveu à decisão do Turcomenistão de cortar as exportações de gás para o Irã, em janeiro de 2017, sob a alegação de que Teerã deixou de honrar uma dívida de cerca de 2 bilhões acumulada desde 2012. Por sua vez, os iranianos acusam os turcomenos de aumentar o preço do gás durante os invernos rigorosos da região, período em que o consumo é mais elevado.

Mesmo dono da segunda maior reserva provada de gás natural do mundo, atrás apenas da Rússia, o Irã dependia da importação dos recursos do país vizinho para alimentar a porção norte de seu território, que está distante das principais áreas produtoras, localizadas em seu litoral sul. Para Asadollah Qareh-Khani, porta-voz da Comissão de Energia do Parlamento iraniano, com o lançamento do novo gasoduto, “o Irã não mais precisará importar gás do Turcomenistão”, além de afirmar que “não haverá redução ou queda na pressão do gás nas cidades do Norte durante o inverno”.

Por seu turno, o Turcomenistão passa por um processo de isolamento regional. Em abril, a Rússia já havia anunciado que passaria a importar o gás natural uzbeque em substituição ao turcomeno. Agora, diante da recém-adquirida autossuficiência iraniana, Asgabate* perde seu único elemento de pressão nas negociações travadas com Teerã. Restará apenas a China como destino de seu principal produto de exportação.

———————————————————————————————–                    

Notas:

* Capital do Turcomenistão, por isso, referência ao país.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Campo de exploração de gás de Pars Sul, no Golfo Pérsico” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/South_Pars/North_Dome_Gas-Condensate_field#/media/File:South_Pars_Horizon.jpg

Imagem 2Presidentes Berdimuhammedow e Rohani no Fórum dos Países Exportadores de Gás” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Gurbanguly_Berdimuhamedow#/media/File:Third_GECF_summit_in_Tehran_41.jpg

 

About author

Mestrando no programa de Pós Graduação em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduado em História também pela UFRJ. Atua na área de Política Internacional, formação de alianças e segurança regional. Desenvolve pesquisas com enfoque específico no estudo dos países do Cáucaso do Sul, Eurásia e espaço pós-soviético. É membro do Grupo de Pesquisas de Política Internacional (GPPI/UFRJ) e do Laboratório de Estudos dos Países do Cáucaso (LEPCáucaso).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!