NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Israel e Palestina prosseguem as conversações de paz

Segundo o “Departamento de Estado” norte-americano, negociadores israelenses e palestinos irão retomar as negociações de paz no dia 14 de agosto, em Jerusalém. Os governos de Israel e da Palestina se encontraram para iniciar o processo no dia 30 de julho, em Washington, após aproximadamente três anos sem qualquer medida a respeito.

A porta voz do “Departamento de Estado dos EUA”, Jen Psaki, afirmou que o enviado norte-americano para as negociações de paz no “Oriente Médio”, Martin Indyk, e o enviado especial adjunto, Frank Lowenstein, viajarão para a região com a finalidade de facilitar as conversações. O objetivo é construir uma solução de dois Estados para um dos conflitos mais longos da contemporaneidade.

A solução de dois Estados é uma das possibilidades conversadas para a resolução do conflito Israel-Palestina. Esta ideia prevê um acordo que resulte na criação de um Estado palestino independente na Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental”. O “Estado Palestino”, no caso, deverá manter a paz com o vizinho israelense.

Dentre os muitos fatores que dificultam a solução de dois Estados – e a torna alvo de críticas para muitos especialistas – pode-se citar a questão de Jerusalém, considerada cidade santa para ambos os povos. Além disso, Israel possui assentamentos com uma população bastante extensa estabelecida no que seria território palestino. E, ainda, o partido palestino no governo da “Faixa de Gaza”, “Hamas”, não reconhece e se nega a conversar com Israel, mantendo uma rixa com o rival “Fatah”, da Cisjordânia.

A resolução de mandar enviados norte americanos para a região foi feita após o anúncio de que Israel forneceu aprovação preliminar para a construção de mais de 800 novas casas em assentamentos judaicos na Cisjordânia. Tal medida complicaria fortemente as negociações, já que o congelamento de construções em assentamentos é exigido pelos palestinos.

Psaki afirmou que os Estados Unidos não aceitarão a legitimidade do desenvolvimento de assentamos. A porta voz do “Departamento de Estado dos EUA” ainda acrescentou que John Kerry tem boas expectativas para as negociações: “O Secretário deixou claro que acredita que ambas as equipes negociadoras estão ma mesa de boa fé e estão engajadas a fazer progresso[1].

No dia 13 de agosto, um dia antes do próximo encontro, Israel irá libertar 26 dos 104 prisioneiros palestinos que serão soltos como parte do acordo para as negociações de paz. Após a reunião em Jerusalém, planeja-se uma futura conversa na cidade de Jericó, na Cisjordânia.

—————————————–

Imagem (Fonte):

http://www.haaretz.com/news/diplomacy-defense/netanyahu-abbas-hold-rare-phone-chat-over-carmel-fire-1.328804

—————————————– ——-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.state.gov/r/pa/prs/dpb/2013/08/212962.htm#MEPP

About author

Mestranda em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bacharel em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especializada em Relações Internacionais Contemporâneas (PUC-Rio). Com foco em política no Oriente Médio, participou da “The Israeli Presidential Conference – Facing Tomorrow” - sob os auspícios de Shimon Peres - nos anos de 2011 e 2012, tendo realizado outros cursos na área em Israel.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!