NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Juízes desistem de continuar com julgamento em relação aos réus da Irmandade Muçulmana no Egito

Juízes que iriam comandar o julgamento dos líderes da “Irmandade Muçulmana” a ser realizado na última quarta-feira, dia 11, no Egito, se recusaram a seguir com o procedimento, frente a interrupção gerada por parte dos acusados. Já é a segunda vez que algo do tipo acontece com o processo envolvendo as lideranças islamitas acusadas de violência e assassinato.

Desde a queda do Presidente deposto, Mohamed Morsi, as autoridades estabeleceram uma ofensiva à “Irmandade Muçulmana”. Centenas de componentes do grupo foram presos desde então e mais de mil morreram em choques com as “Forças de Armadas” durante passeatas que pediam a volta de Morsi[1].

Os três juízes desistiram de seguir com o julgamento depois que os acusados começaram a cantar contra o Judiciário. No dia 29 de outubro de 2013, outros três juízes desistiram do mesmo julgamento após a polícia falhar em trazer os réus ao Tribunal, alegando uma suposta falta de segurança no local.

Os acusados em questão são Mohammed Badie, líder do grupo, seus deputados Khairat al-Shater e Rashad al-Bayoumi e os membros seniores Saad Katatni e Mohammed al-Beltagi. Eles enfrentam acusações por incitar a morte de manifestantes pacíficos e tentativa de assassinatos. As denúncias se referem a uma manifestação ocorrida no Cairo, em 30 de junho deste ano (2013) contra a “Irmandade Muçulmana”, na qual mais de noventa pessoas ficaram feridas e outras nove perderam a vida. 

O juiz que presidia a Sessão, Mustafa Salama, interrompeu o processo quando os réus começaram a cantar frases como “abaixo o judiciário dos militares[2]. Quando o julgamento foi retomado, no entanto, o banco dos réus voltou a interromper com outras provocações, especialmente dirigidas ao “Chefe do Exército” egípcio, Abdel Fattah el-Sissi: “Sissi traidor, Sissi traidor[2].

Antes de deixar o Tribunal junto com os outros dois juízes presentes, Salama declarou ter pedido aos acusados que mantivessem a calma. Como eles não o fizeram, os juízes se retiraram, negando-se levar a Sessão a cabo. O advogado oficial da “Irmandade Muçulmana”, Mohammed al-Damati, declarou que os réus duvidam que irão receber um julgamento justo, independente da Corte que lidere o caso. Em uma breve declaração, ainda vestido com o uniforme branco da prisão, Mohammed Badie protestou contra as autoridades atuais, acusando-as de levar a cabo a continuação de um “Golpe de Estado” com a derrubada de Morsi, o primeiro Presidente eleito do país[3].

As tensões entre aIrmandade Muçulmanae o governo militar têm se intensificado e experimentado cada vez mais violência. Na última quarta-feira, dia 11, a polícia atirou gás lacrimogêneo pelo terceiro dia consecutivo em estudantes da “Universidade de Al-Azhar”, que se manifestavam em apoio a “Irmandade Muçulmana”. Na ocasião, 19 alunos foram presos.

O Reitor da “Faculdade de Engenharia da Universidade do Cairo”, onde também foram presos sete estudantes e ocorreram embates violentos, entregou sua demissão segundo o jornal “Al-Ahram”. De acordo com a notícia, a utilização do gás lacrimogêneo na última terça-feira, dia 10, o levou a tomar tal decisão, já que ele não tem como defender seus estudantes e propiciar para eles um ambiente de estudo seguro[4].

Desde as manifestações na “Praça Tahrir” pela queda do ex-presidente Hosni Mubarak, em janeiro de 2011, o Egito vem enfrentado sua época de maior violência interna. A população está altamente dividida. Parte pediu pela retirada de Morsi do governo em julho deste ano, acusando-o de abuso de poder e violência. Desde que o Exército depôs Morsi, no entanto, uma nova onda de violência, possivelmente ainda mais grave, teve início, já que muitos sentem que sua votação foi válida e a deposição do Presidente a frente da “Irmandade Muçulmana” representou um “Golpe de Estado”. O atual Governo, presidido por Adly Mansour, mantém uma política altamente repressiva em relação aos membros e aos apoiadores da Irmandade no Egito desde que assumiu o poder.

O país aguarda, agora, o Referendo para uma nova Constituição. Uma assembleia composta por 50 membros terminou o rascunho na semana passada e a data do Referendo deverá ser anunciada por Mansour no próximo sábado[5].

—————————

Imagem (Fonte):

http://www.reuters.com/article/2013/12/11/us-egypt-brotherhood-trial-idUSBRE9BA10820131211

—————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2013/12/judges-resign-egypt-brotherhood-trial-20131211132359316107.html

[2] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-25338190

[3] Ver:

http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=250199225

[4] Ver:

http://weekly.ahram.org.eg/News/4907/17/–Campus-rebellions.aspx

[5] Ver:

http://www.reuters.com/article/2013/12/11/us-egypt-brotherhood-trial-idUSBRE9BA10820131211

About author

Mestranda em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bacharel em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especializada em Relações Internacionais Contemporâneas (PUC-Rio). Com foco em política no Oriente Médio, participou da “The Israeli Presidential Conference – Facing Tomorrow” - sob os auspícios de Shimon Peres - nos anos de 2011 e 2012, tendo realizado outros cursos na área em Israel.
Related posts
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!