NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Laboratório da Samsung na Rússia na vanguarda dos “deepfake”

Em maio de 2019, o Centro de Inteligência Artificial da Samsung em Moscou apresentou ao mundo um novo software capaz de criar vídeos deepfakes* com apenas uma imagem. Trata-se de tecnologia pioneira, que faz uso de algoritmos que simulam os processos de aprendizagem e cognição do cérebro humano.

Embora a manipulação de vídeos e imagens exista há muito tempo, os “sistemas neurais” da inteligência artificial trabalham de maneira a tornar indistinguíveis a imagem original da imagem manipulada através do método comparativo: um “Gerador” cria uma versão de imagem e a apresenta ao “Discriminador”, que determina se ela é real ou falsa. A similitude dos deepfakes com a imagem real é medida conforme essa tecnologia perde a capacidade de detectar o que é real do que é forjado.   

Na ocasião da divulgação das capacidades de ponta na criação de deepfakes, a equipe da Samsung divulgou vários exemplos de retratos vivos usando apenas uma imagem pré-existente, inclusive a famosa pintura Mona Lisa. Apesar de surpreendente e um tanto falha (ainda), esta tecnologia provoca reflexão de especialistas e instiga análise de possíveis ameaças que advém com tais avanços, como fraudes, desinformação e adulteração de eleições.

Exemplos de aplicação da tecnologia deepfake Egor Zakharov

Egor Zakharov e os demais desenvolvedores do software estão cientes dos possíveis impactos de seu produto. Porém, consideram que essa tecnologia é uma espécie de democratização dos efeitos especiais, até então amplamente utilizados por Hollywood, e que mecanismos para apaziguar os efeitos negativos têm sido desenvolvidos. 

Uma conferência realizada no MIT (Massachusetts Institute of Technology) em setembro deste ano (2019), contou com a ilustre presença do presidente Russo Vladimir Putin. Exceto que a figura em cena não era Putin, e sim uma criação de Hao Li, o maior artista de deepfakes do mundo. Li mostrou-se preocupado que a tecnologia está se desenvolvendo “mais rápido do que pensava”, e previu que em dois ou três anos, deepfakes serão perfeitos. Li alertou que “não haverá maneira de determinar se algo é real ou não, então temos que ter uma abordagem diferente”.

O site War on the Rocks atenta para a transformação de algoritmos em armas, como facilitadores de falsificação. Especialistas se manifestaram sobre as possíveis repercussões do uso indevido de deepfake para a segurança nacional/internacional, e o professor Henry Farid exemplifica: “o pesadelo de alguém criar um vídeo de Trump dizendo ‘Eu lancei armas nucleares contra a Coréia do Norte’”. O pânico e as consequências de tal disparate “viralizando” nas mídias são imensuráveis.

Caso as previsões de Hao Li estejam corretas, os mecanismos de combate ao mal-uso da tecnologia deepfake apontados por Egor Zakharov devem estar à altura (e as legislações e regulamentos prontos a recebê-los).    

———————————————————————————————–

Nota:

* Deepfake: Mistura dos termos “deep learning” (aprendizado profundo) e “fake media” (mídia falsa) é uma técnica de manipulação de imagem por Inteligência Artificial.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Códigos de Computação” (Fonte S. Hermann & F. Richter de Pixabay): https://pixabay.com/users/pixel2013-2364555/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=4031973

Vídeo 1Exemplos de aplicação da tecnologia deepfake Egor Zakharov” (Fonte): https://www.youtube.com/watch?v=p1b5aiTrGzY

About author

Mestranda em Estudos Internacionais no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Foi delegada brasileira da Juventude na 16ª Cúpula de Prêmios Nobel da Paz. Morou na Irlanda, certificou-se professora de inglês, e mudou-se para Lisboa, onde estagiou para o Instituto para Promoção da América Latina e Caribe e trabalhou para a Wall Street English. Áreas de interesse são sustentabilidade, policy-making, peacekeeping, intel e pesquisa.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by