fbpx
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Maiores apreensões de armas ocorrem na América Latina

De acordo com um último informe das Nações Unidas (ONU), os países latino-americanos, como Colômbia e México, possuem uma apreensão de armas maior do que países em conflito armado, como o Iraque[1]. O “UNODC Estudo sobre Armas” pesquisou 39 países membros da ONU entre 2010 e 2013[1].

A Colômbia confiscou uma média de 39.925 armas por ano, enquanto o México teve uma média de 28.885 armas, anualmente. Em comparação, países como o Brasil e Iraque ficaram com médias similares, ao redor de 13.000 armamentos confiscados por ano[1][2].

Com relação aos países de manufatura dos armamentos apreendidos, a UNODC descobriu que 20% dos que foram confiscados naGuatemala, por exemplo, foram produzidos nos Estados Unidos. Em seguida vieram números de armas manufaturadas em Israel eArgentina, com 23% ambos[1][2].  

Tanto a UNODC como especialistas no tema acreditam que a presença de grupos criminais organizados dentro de um país pode causar o crescimento no mercado por armas ilegais[1]. Isto se explica, pois grupos criminosos precisam armar seus membros com o objetivo de proteger os carregamentos de drogas e facilitar as atividades ilícitas[1][2].

A criminalidade também influencia o tráfico ilegal de armas na região[1]. Um exemplo são as organizações criminosas mexicanas que, para conseguir mais mercado de operações e compra de drogas no sul do continente, começaram a armar gangues em países como a Costa Rica[1].

————————————————————————————————

ImagemMédia Anual de Apreensão de Armas pela Polícia” (FonteUNODC)

http://www.unodc.org/documents/firearms-protocol/UNODC_Study_on_Firearms_WEB.pdf

————————————————————————————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.insightcrime.org/news-analysis/colombia-mexico-seize-more-illegal-weapons-than-iraq-unodc

[2] Ver:

http://www.unodc.org/documents/firearms-protocol/UNODC_Study_on_Firearms_WEB.pdf

About author

Mestre em Relações Internacionais- IHEID (Genebra, Suíça) e Mestre em Estudos Avançados de Organizações Internacionais- UZH (Zurique, Suíça). Bacharel em Relações Internacionais -Unilasalle (Canoas, RS), intercâmbio na UNICAH (Tegucigalpa, Honduras). Especialidades: direitos humanos, direito internacional humanitário, segurança e paz, democratização e América Central. Experiências profissionais: ONU (DPA- MSU), BID (segurança cidadã) e ONG Geneva Call – Suíça.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!