EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Merkel busca saída diplomática para crise na Ucrânia

Utilizando-se da condição estratégica de seu país, uma vez que a Alemanha possui grande influência na União Europeia (UE) e, ao mesmo tempo, é o maior parceiro econômico europeu da Rússia, a chanceler alemã Angela Merkel, em sua primeira visita à capital ucraniana (Kiev) desde o início dos conflitos, buscou criar as bases de uma possível solução diplomática, com o objetivo de por fim às divergências entre a Ucrânia e a Rússia.

Para a Chanceler alemã, torna-se necessário que ambas as partes estejam completamente comprometidas em achar uma solução diplomática, caso contrário um cessar fogo bilateral não será possível e, consequentemente, a crise na região não terá fim. De acordo com Merkel, “Deve haver dois lados para [o cessar fogo] ser bem sucedido. Você não pode alcançar a paz sozinho. Espero que as negociações com a Rússia possam levar ao sucesso […] Os planos estão na mesa, agora as ações devem seguir. […] O significado da minha visita [à Kiev] é que o governo alemão [acredita] que a integridade territorial e o bem-estar da Ucrânia são essenciais[1].

A falta de um controle na fronteira entre os dois países, Ucrânia e Rússia, fora entendida por Merkel como a principal dificuldade a ser resolvida entre o Governo da Ucrânia e grupos separatistas pró-Rússiaque, na interpretação de Merkel, sofrem influência e apoio direto do Governo russo.

Para a Primeira-Ministra, esse é um problema tem de ser equacionado, caso as partes desejem um término dos conflitos. Petro Poroshenko, Presidente ucraniano, demonstrou-se disposto à realização de um acordo diplomático, desde que a “soberania, a integridade territorial e a independência da Ucrânia sejam respeitadas[1].

Em discurso proferido aos seus compatriotas, Merkel afirmou que “se a Ucrânia afirmar que está indo agora em direção à União Euroasiática, a União Europeia jamais iria fazer disso um grande conflito, apenas iria garantir que tal decisão fosse voluntária[2]. Com isso, a Chanceler busca apaziguar um possível temor russo acerca das intenções da UE com os países pertencentes, outrora, a União Soviética.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fd/Angela_Merkel_(2008).jpg

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.dw.de/merkel-calls-for-bilateral-ceasefire-between-ukraine-and-russia/a-17873455

[2] Ver:

http://euobserver.com/foreign/125331

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!