EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Merkel busca saída diplomática para crise na Ucrânia

Utilizando-se da condição estratégica de seu país, uma vez que a Alemanha possui grande influência na União Europeia (UE) e, ao mesmo tempo, é o maior parceiro econômico europeu da Rússia, a chanceler alemã Angela Merkel, em sua primeira visita à capital ucraniana (Kiev) desde o início dos conflitos, buscou criar as bases de uma possível solução diplomática, com o objetivo de por fim às divergências entre a Ucrânia e a Rússia.

Para a Chanceler alemã, torna-se necessário que ambas as partes estejam completamente comprometidas em achar uma solução diplomática, caso contrário um cessar fogo bilateral não será possível e, consequentemente, a crise na região não terá fim. De acordo com Merkel, “Deve haver dois lados para [o cessar fogo] ser bem sucedido. Você não pode alcançar a paz sozinho. Espero que as negociações com a Rússia possam levar ao sucesso […] Os planos estão na mesa, agora as ações devem seguir. […] O significado da minha visita [à Kiev] é que o governo alemão [acredita] que a integridade territorial e o bem-estar da Ucrânia são essenciais[1].

A falta de um controle na fronteira entre os dois países, Ucrânia e Rússia, fora entendida por Merkel como a principal dificuldade a ser resolvida entre o Governo da Ucrânia e grupos separatistas pró-Rússiaque, na interpretação de Merkel, sofrem influência e apoio direto do Governo russo.

Para a Primeira-Ministra, esse é um problema tem de ser equacionado, caso as partes desejem um término dos conflitos. Petro Poroshenko, Presidente ucraniano, demonstrou-se disposto à realização de um acordo diplomático, desde que a “soberania, a integridade territorial e a independência da Ucrânia sejam respeitadas[1].

Em discurso proferido aos seus compatriotas, Merkel afirmou que “se a Ucrânia afirmar que está indo agora em direção à União Euroasiática, a União Europeia jamais iria fazer disso um grande conflito, apenas iria garantir que tal decisão fosse voluntária[2]. Com isso, a Chanceler busca apaziguar um possível temor russo acerca das intenções da UE com os países pertencentes, outrora, a União Soviética.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fd/Angela_Merkel_(2008).jpg

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.dw.de/merkel-calls-for-bilateral-ceasefire-between-ukraine-and-russia/a-17873455

[2] Ver:

http://euobserver.com/foreign/125331

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China lança plano de transformar Shenzhen em “motor central” de reforma

AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Impacto da COVID-19 na educação é tema de Relatório das Nações Unidas

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataque jihadista a civis deixa 25 mortos em Burkina Faso

ANÁLISES DE CONJUNTURANOTAS ANALÍTICAS

COMUNICADO CEIRI NEWS DE 12 DE OUTUBRO

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!