América do NorteAMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

México pressiona EUA e Canadá para finalizar a renegociação do NAFTA

De acordo com o Jornal Reuters, na ultima quinta-feira (dia 16 de março), o Ministro da Economia do México, Ildefonso Guajardo, instou as autoridades a pressionarem por uma renegociação rápida do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA).

Segundo Guajardo, se nenhum acordo para retrabalhar o NAFTA for concretizado até 30 de abril, a nova complexidade política da região poderá pôr em dúvida a reformulação do acordo pelos próprios legisladores. Isso porque a sessão ordinária do Congresso no México termina em 30 de abril, e o país elegerá um novo Presidente em julho, que assumirá o cargo no início de dezembro.

Fabricação de Aço

Além disso, os EUA realizarão eleições parlamentares de médio prazo em novembro, e o Presidente estadunidense, Donald Trump, pretende aumentar as taxas de importação do aço e do alumínio em curto prazo.

Em um recente tweet publicado no dia 5 de março, Trump declarou que os EUA possuem grandes déficits comerciais com o México e Canadá, e que o NAFTA, tem sido um mau acordo. Portanto, as tarifas sobre aço e alumínio só serão excluídas se for assinado um Tratado novo e justo, segundo a sua perspectiva.

A inclusão do NAFTA nas tarifas seria particularmente impactante para as economias estatais mais dependentes. Canadá e México fornecem juntos 32% das importações de alumínio e aço dos EUA. Michigan, por exemplo, conta com o NAFTA em mais de 70% de seus produtos de aço e alumínio. Essas importações alimentam os clusters automotivos e metalúrgicos do Estado que, em conjunto, empregam 230 mil trabalhadores.

Balança comercial dos EUA em relação ao México entre 1992 e 2015

Mas, mesmo que o Canadá e o México fossem poupados, as tarifas ainda se aplicariam a outros parceiros estratégicos individuais. Illinois é o segundo maior importador de produtos siderúrgicos do país, importa 41% do aço do Brasil e 29% do seu alumínio vem da China, cada vez mais utilizado como substituto do aço na indústria automobilística dos EUA.

Para Guajardo, o México e o Canadá devem estar prontos para seguirem sozinhos caso os Estados Unidos saiam do NAFTA, dado o clima de grande incerteza. O Governo mexicano está ansioso para negociar um acordo antes de uma mudança de Presidência, e Guajardo também disse que sua equipe estará pronta para continuar negociando até o final de novembro.

A intenção do governo mexicano é se esforçar para que os norte-americanos continuem no NAFTA, já que a grande maioria dos mexicanos se manteve a favor do livre comércio. Porém, Donald Trump sempre esteve sob uma crescente pressão dos defensores políticos dos Estados agrícolas para renovar o acordo comercial.

No entanto, os comentários de Trump parecem contradizer as declarações feitas por seu recém-empossado diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow. Para ele, o NAFTA necessita ser reformulado de alguma forma, mas não poderia ser abandonado, tal como o Presidente declara.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Representantes do Canadá, México e EUA renegociam o NAFTA” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/North_American_Free_Trade_Agreement

Imagem 2Fabricação de Aço” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Steel

Imagem 3Balança comercial dos EUA em relação ao México entre 1992 e 2015” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/NAFTA%27s_effect_on_United_States_employment

About author

Mestrando em Direito Internacional pela Universidade Católica de Santos. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Santos. Experiência acadêmica internacional na Cidade do México e atuação profissional no Consulado do Panamá e no Turismo Nuevo Mundo. Concluiu trabalho de extensão sobre Direitos Humanos e Refugiados, iniciação científica na área do Direito Internacional e da Política Externa Brasileira, sendo esta segunda iniciação premiada em terceiro lugar entre as áreas de ciências humanas e ciências sociais aplicadas da UniSantos em 2015. Atuou como Monitor na disciplina de Teoria das Relações Internacionais­I, durante o último semestre de 2015. Atualmente é monitor e pesquisador do Laboratório de Relações Internacionais da UniSantos em parceria com o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (LARI­IPECI), onde auxilia no desenvolvimento de projetos semestrais pautados por três frentes de pesquisa: 1) Direitos Humanos, Imigração e Refugiados; 2) Política Internacional e Integração Regional; e 3) Relações Internacionais, Cidades e Bens Culturais. Tem objetivo de seguir carreira acadêmica.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by