[:pt]

É alarmante o número de refugiados que chegam em Angola vindos da República Democrática do Congo (RDC). Desde o início do ano passado (2016), aproximadamente um milhão de congoleses se deslocaram da Província de Kasai devido aos conflitos instaurados nessa região.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e o Governo angolano estimam que, no mínimo, 16 mil refugiados congoleses já chegaram à Província de Lunda Norte, na região norte de Angola. A média de chegadas diárias está entre 300 e 400 refugiados, sem previsão de arrefecimento.

Com um orçamento anual de 2,5 milhões de dólares para auxiliar, aproximadamente, 56 mil refugiados instaurados no território angolano, o escritório local do ACNUR afirma ser necessário dispor de um orçamento de 5,5 milhões – pouco mais do que o dobro do montante atual – para socorrer adequadamente os refugiados que chegaram, bem como aqueles previstos para os próximos meses.

Consonante à história de tantos outros deslocamentos na África Subsaariana, a crise dos refugiados congoleses tem sua explicação na atual conjuntura política da RDC. Os conflitos romperam em agosto do ano passado, quando o líder oposicionista Kamwina Nsapu foi morto pelas forças governamentais.

Desde então, milícias fieis a Nspau e às Forças do Estado vem travando sangrentos conflitos. As milícias pedem a deposição do Presidente da RDC, Joseph Kabila, o qual ultrapassou os limites de dois mandatos estabelecidos pela Constituição. A escalada de violência ocorre à medida que civis são mortos a qualquer suspeita de ligação com algum dos dois lados do conflito. Estima-se que, no mínimo, 400 pessoas já foram vitimadas.

As pessoas que chegam precisam urgentemente de ajuda vital, como comida, água, abrigo e serviços médicos. O ACNUR também está procurando alimentos cultivados localmente para apoiar as pessoas mais vulneráveis, incluindo crianças, mulheres grávidas e idosos”, afirmou Sharon Cooper, representante regional do ACNUR para o Sul da África, sobre as condições de acolhimento da população refugiada. Para recebe-la, o ACNUR de Angola gerencia um centro de recolhimento na zona de Dundo, capital da província de Lunda Norte.

O Governo angolano prevê deslocar os refugiados para o centro de recolhimento no município de Camulo, a fim expandir a capacidade de assistência e abrigo. Isto devido a não haver nenhuma previsão de diminuição no volume de chegadas. Acima de tudo, o fluxo migratório de congoleses para Angola demonstra a crucialidade da adoção gradativa de sistemas pacíficos e transparentes de transferência de poder na África Subsaariana.

———————————————————————————————–                    

Fontes da Imagens:

Imagem 1 Refugee Camp” / “Campo de Refugiados” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Refugee_camp

Imagem 2 Joseph Kabila Presidente da República Democrática do Congo” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Joseph_Kabila

Imagem 3 ACNUR Brasil” (Fonte):

https://nacoesunidas.org/acnur-lanca-edital-para-selecionar-parceiros-no-brasil/

[:]

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

OMS lança primeira versão de Relatório Mundial sobre Visão

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia: primeira linha de metrô de Bogotá será construída por consórcio chinês

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Mortos durante prece na Mesquita em Burkina Faso

EURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia assume papel de mediador no conflito da Síria

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by