NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ministério do Planejamento do Iraque e Banco Mundial criam Fundo para combater a pobreza no país

Ministro do Planejamento do Iraque, Salman Aljumaili, anunciou projeto de cooperação com o Banco Mundial que objetiva melhorar as condições de vida da população mais vulnerável no país, através da garantia de melhoramento do acesso aos serviços básicos e da geração, em curto prazo, de oportunidades laborais. O Fundo Social para o Desenvolvimento, Social Fund for Development (SFD), conta com um capital inicial de aproximadamente US$ 300 milhões (em torno de 1,12 bilhão de reais, de acordo com a cotação do dia 24 de outubro de 2018) e recebe o apoio do Banco Mundial.

Jim Yong Kim, atual presidente do Banco Mundial

Desde o início da desvalorização do petróleo em 2014, e da guerra entre o governo central e o Estado Islâmico (EI), a população iraquiana tem enfrentado diversos desafios frente à instabilidade local. De acordo com dados divulgados pelo Banco Mundial, calcula-se que, desde 2013, ano em que o EI passou a controlar partes do território iraquiano, cerca de 4 milhões de pessoas deslocaram-se internamente. Somado a isso, em torno de 40% da produção agrícola foi reduzida devido a migração forçada em direção às cidades, na busca por melhores oportunidades de trabalho e pela falta de segurança pública. As taxas de pobreza aumentaram a partir de 2014, alcançando 22,5% de um total de 38,5 milhões. Já o índice de desemprego é considerado alto e a participação da mão-de-obra de jovens e mulheres permanece abaixo do percentual da região. Apenas 15% das mulheres iraquianas e 72% dos homens estão empregados, enquanto que na região Norte da África e no Oriente Médio o percentual alcança 22% e 75%, respectivamente. Entre a população jovem, de 15 a 29 anos, 72% das mulheres e 18% dos homens não estão nem estudando, nem trabalhando.

Com a meta de melhorar as condições de vida da sociedade iraquiana, o Fundo financiará subprojetos identificados pelas comunidades que sejam tecnicamente executáveis, financeiramente viáveis e socialmente justificáveis. Esses subprojetos consistem na construção de infraestrutura econômica e social de pequena escala para a comunidade, com o intuito de melhorar o acesso a serviços públicos básicos e investir em outros, utilizando a força de trabalho local.

Os trabalhos começarão em setores econômicos e sociais estratégicos, como educação, saúde, agricultura, irrigação e acesso aos mercados. Serão priorizados subprojetos que beneficiem a parte mais pobre da população e grupos com necessidades especiais, bem como aqueles que criem empregos permanentes. Inicialmente, as atividades serão desenvolvidas nas províncias de Muthanna (a qual tem a taxa mais alta de pobreza), Salahideen (como área libertada pelo EI e com muitos retornados), e Dohuk (região que abriga grande parte dos refugiados sírios). Já em 2019, o programa se expandirá para Ninawa, Thiqar, Qadisiya e Bagdá. A partir de 2020, as atividades serão desenvolvidas em todas as províncias do Iraque.

Objetiva-se, até 2023, ano de encerramento do projeto, aumentar a produtividade no campo, a acessibilidade ao mercado de produtos agrícolas, facilitar a matrícula de crianças em idade escolar nas escolas, aumentar o acesso aos serviços de saúde e o acesso à água potável segura. Além disso, busca beneficiar 1,5 milhão de famílias a obter acesso aos serviços básicos, implementar 1.700 projetos no país, alcançar 600 comunidades e gerar 10 milhões de empregos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Agricultura é uma das principais fontes de renda dos iraquianos que vivem no campo” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Iraq#/media/File:Iraqi_Kurdish_villagers_in_field_near_Turkish_border.jpg

Imagem 2Jim Yong Kim, atual presidente do Banco Mundial” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/World_Bank#/media/File:Jim_Yong_Kim_(cropped).jpg

About author

Bacharela em Relações Internacionais pela Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES). Dentre as área de interesse estão Segurança Internacional, Geopolítica e estudos sobre o Oriente Médio. Escreve no CEIRI Newspaper sobre o Oriente Médio, particularmente sobre Irã e Iraque.
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

OMS lança primeira versão de Relatório Mundial sobre Visão

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia: primeira linha de metrô de Bogotá será construída por consórcio chinês

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Mortos durante prece na Mesquita em Burkina Faso

EURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia assume papel de mediador no conflito da Síria

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by