EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Montenegro é oficialmente convidado a se juntar à OTAN

Passaram-se 16 anos desde os bombardeios das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) sobre o território da antiga República Federativa da Iugoslávia. Na quarta-feira, dia 2 de dezembro, Montenegro, uma das entidades federativas iugoslavas, fora invitada a se juntar à OTAN, o que caracterizará a primeira expansão da Organização securitária em seis anos.

Para o corpo de ministros que esteve em Bruxelas na última reunião da entidade, o convite acarretou no reconhecimento dos esforços que o pequeno Estado balcânico teve nos últimos anos. Desde 2006, quando o país se separou da união federativa que partilhava com a Sérvia, os diferentes governos buscavam o acesso à OTAN.

Nas palavras do Ministro das Relações Exteriores montenegrino, Igor Luksic, relatadas pelo Balkan Insight, a última reunião caracterizou um “momento histórico para Montenegro”, mas salientou que “o convite ainda não se trata do fim do processo, significa o início de uma próxima etapa, e as reformas devem ser continuadas”. O Primeiro-Ministro do país, Milo Djukanovic, interpreta o convite como um “símbolo para o reconhecimento de Montenegro” e adiciona que se trata de um “forte impulso para a continuidade do trabalho de implementação das reformas”.

O secretário-geral da Organização, Jens Stoltenberg, parabenizou o Governo montenegrino, além de salientar que se tratava de um “grande dia para os Bálcãs Ocidentais”. A datar do fim dos conflitos que assolaram o território iugoslavo, duas nações da ex-república adentraram ao rol de signatárias do Tratado do Atlântico Norte. Croácia e Eslovênia iniciaram suas relações como membros da Organização nos anos de 2009 e 2004, respectivamente.

O processo de integração de Montenegro aumenta o grau de tensão das relações da OTAN com a Rússia – a qual teve as conversas suspensas desde a anexação da Crimeia, em 2014 – à medida que expande sua influência em direção ao leste europeu. O porta-voz presidencial da Federação Russa, Dimitri Peskov, garantiu à Associated Press que os convites feitos a Montenegro “receberão medidas retaliativas”.

Mesmo dentro de Montenegro, a empreitada da integração Euro-Atlântica é motivo de controvérsia, que ficou visível nos recentes protestos na capital, Podgorica. A grande fatia da população, de raízes étnicas sérvias, ainda se vê “traída” pela OTAN, devido aos bombardeios de 1999 a Belgrado, anteriormente citados. O próprio Estado sérvio se encontra negligenciado do processo de entrada à OTAN, ao passo que estreita suas relações com a Federação Russa. Em contrapartida, Jens Stoltenberg afirmou na reunião que consolidou o convite à Montenegro, que a “porta da OTAN está aberta”.   

———————————————————————————————-

Imagem (Fonte):

http://www.maltatoday.com.mt/ui_frontend/thumbnail/684/0/nato-montenegro.jpg

About author

Mestrando em Ciências Sociais pela PUC-RS. Bacharel em Relações Internacionais (2014), pelo Centro Universitário Univates de Lajeado - RS, realizou estudos em Segurança Internacional na Högskolan i Halmstad em Halmstad, Suécia (2013). Áreas de interesse em pesquisa são em Política Internacional, Segurança Internacional, Península Balcânica e etnias nas Relações Internacionais.'
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Reunião de Alto Nível sobre os direitos da mulher é realizada durante a Assembleia Geral da ONU

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!