CNP In Loco

Necessidades do Brasil em tecnologia, visíveis no Greenk Teck Show e no Brasil Game Show

No mundo das relações internacionais, a tecnologia, na maioria dos casos, é tratada e discutida principalmente em temas militares, da comunicação geral e da medicina, porém, isso vem mudando ao longo dos anos. A tecnologia está ganhando cada vez mais novas aplicações e conceitos e, hoje, o foco é no consumidor doméstico, porém, no Brasil, este mercado ainda é instável.

Segundo pesquisa do Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial (IEDI), publicada em junho de 2018, o país apresentava um crescimento de 13% no primeiro semestre nesse segmento, principalmente no complexo eletrônico, fabricação de componentes de vídeo, áudio e comunicação em geral. Porém, no final de 2018, a indústria esfriou e encolheu. Segundo o Departamento de Economia, Competitividade e Tecnologia da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), entre os anos de 2009 e 2018 a indústria caiu de 15% para 11,3%, indo na contramão da indústria internacional, que subiu, ultrapassando os 16% no mesmo período.

Jovens participantes do Evento de jogos (Foto: Fabricio Bomjardim /CEIRI NEWS)

No país, os tipos de consumidores para produtos de tecnologia ainda aparentam não estar bem definidos, como pode ser observado na última pesquisa publicada pelo IEDI (2018) e pelas constantes variações apresentados em seus relatórios trimestrais e semestrais. Muitos ainda investem apenas no consumidor empresarial, redes farmacêuticas, maquinário industrial e pouco se procura produzir e inovar para o consumidor doméstico.

Além de pouco se investir na produção tecnológica nacional, o investimento em estrutura ainda é precário, como exemplo, pode-se citar a transmissão de dados, a Internet. O mundo, hoje, discute a tecnologia do 5G e países já estão se atualizando para ele substituir o 3G e 4G, mas, no Brasil, mesmo em grandes cidades como São Paulo existem bairros e pontos centrais da capital paulista onde nem o sinal de 3G funciona, além de não existir internet de fibra ou de alta velocidade em toda sua expansão, acrescentando-se a existência de regiões onde há pessoas que desconhecem tais tecnologias e nunca viram uma smartTV, um smartphone ou um computador.

Participante da Brasil Game Show (Foto: Fabricio Bomjardim /CEIRI NEWS)

Ainda se entende pouco como a infraestrutura para tecnologia pode ser vantajosa para empresas nacionais e de componentes, atuando como base de sustentação para outros setores nos quais ainda não há possibilidades de concorrer, como a indústria de softwares e hardwares para civis.

Entre os dias 4 e 6 de outubro (2019), a capital paulista recebeu a terceira edição do Greenk Teck Show, maior evento de tecnologia e sustentabilidade do Brasil, e também a Brasil Game Show, maior evento de cultura Gamer da América Latina. Ambos os eventos, que unem tecnologia, jogos eletrônicos, cultura pop, nerd e geek, têm seu público formado basicamente por jovens, ou potenciais consumidores.

O Brasil é visto hoje como um dos mercados com mais potencial para a indústria de jogos eletrônicos, mas, ainda não existe uma estrutura que atenda todo o território nacional. Eventos e feiras do setor estão crescendo pelo país e as gigantes empresas de tecnologia global estão presentes e se popularizando cada vez mais, carregando com elas o crescimento do e-sports e ofertando novas opções de produtos para entusiastas de todas as idades.

A falta de uma política focada no desenvolvimento e infraestrutura tecnológica no país faz com que grandes produtoras de plataformas stream* e fabricantes nacionais de periféricos e acessórios foquem apenas no público localizado em grandes metrópoles brasileiras, e sem muitas esperanças de expandir seus serviços por falta de internet banda larga, logística de transportes e comunicação.

Os brasileiros ainda sofrem com carência de facilidade em obter itens com alta tecnologia, existindo ainda carência de empresas nacionais, que sejam competitivas, razão pela qual está se formando um nicho que está sendo bem explorado por corporações estrangeiras. Por isso, observadores apontam que enquanto não for dada importância e centrado foco no futuro da indústria nacional, e na estrutura necessária para que o Brasil entre de vez no mapa dos Estados globalizados, o país continuará sendo identificado como fornecedor de commodities e como um mercado consumidor de produtos importados.

———————————————————————————————–

Nota:

* Plataformas Stream são as que possibilitam a transmissão de conteúdos pela internet, sem que seja preciso fazer download do conteúdo que está sendo apresentado.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Antena de transmissão de dados” (Fonte):

Foto Fabricio Bomjardim CEIRI.NEWS

Imagem 2 Participantes do Campus Party” (Fonte):

Foto Fabricio Bomjardim CEIRI.NEWS

Imagem 3 Participante da Brasil Game Show” (Fonte):

Foto Fabricio Bomjardim CEIRI.NEWS

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
CNP In Loco

Espanha condena os separatistas catalães a mais de 13 anos de prisão

CNP In Loco

Relações Bilaterais do Governo de São Paulo com a China

CNP In LocoNOTAS ANALÍTICASTecnologia

A internet e o submundo internacional*

CNP In Loco

CPBR 12: Smart Cities em destaque

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by