fbpx
ÁFRICAAMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

O “Governo Dilma” e a aproximação com o continente africano

No dia 17 de junho de 2013, a presidenta brasileira Dilma Rousseff, em uma cerimônia de formatura de novos diplomatas recém-saídos do “Instituto Rio Branco”, no Itamaraty (Brasília), fez um resumido “saldo” positivo de seu governo, no qual destacou diversos pontos que remeteram à clara ideia de continuidade ao trabalho de seu antecessor no cargo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dentre os vários pontos abordados, a oradora fez questão de destacar o protagonismo internacional brasileiro conquistado nas últimas décadas, bem como a capacidade do país de conseguir manter equilíbrio no bom relacionamento tanto com países “desenvolvidos” como “em desenvolvimento”. Em suas palavras: “O bom relacionamento com esses países não impede, ao contrário do passado, que tenhamos personalidade própria na cena internacional. O Brasil ganhou enorme projeção internacional em pouco mais de uma década[1].

Ademais, a “Chefe de Estado” ressaltou uma das diretrizes da sua política externa, a concernente à criação de “blocos de economias emergentes” com afinidades, potencialidades e interesses em comum, a exemplo do IBAS (foro formado por Índia, Brasil e “África do Sul”) e do BRICS (acrônimo para a junção de Brasil, Rússia, Índia, China e “África do Sul”), bem como o fomento à maior aproximação com os demais países da “América Latina” e nações árabes: “Todas essas iniciativas não nos afastam de nenhum dos países desenvolvidos. Por isso temos relações qualificadas com a União Europeia e com os Estados Unidos[1].

E, como não poderia faltar, haja vista ser uma das prioridades dos últimos governos – notadamente iniciada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e com grande ênfase no governo do ex-presidente Lula – Dilma ressaltou a suma importância da denominada “Cooperação Sul-Sul”, especialmente no que respeita ao fomento de maiores e crescentes intercâmbios com o continente africano, conforme se pode perceber da seguinte assertiva: “Fizemos forte movimento em direção à África. A África é umas das regiões que mais crescem no mundo e enfrenta desafios do crescimento[2]. Observadores e estudiosos afirmam que aqui resta uma excelente chance de o Brasil firmar parcerias produtivas com aquele continente para ambas as partes, numa relação em que as duas partes saem ganhando, enunciada por alguns como win-win(“ganha-ganha” ou “vencedor-vencedor”). Nesse sentido, ao se tomar por base o discurso da Presidenta, é de se esperar que continue havendo grandes investimentos na relação do país latino-americano com o continente africano, na busca por resultados positivos.

——————–

Imagem (Fonte):

http://1.bp.blogspot.com/-JcRitptCr1w/UCBnrpagDzI/AAAAAAAAAEg/lorTQfn-OWc/s1600/LA%C3%87O+SUL+SUL+-+JOVEM+LOGO.png 

——————–

Fontes consultadas:

Ver [1]:

http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/dilma-defende-reforma-em-organismos-internacionais-como-fmi-e-onu,8d5ce4e19ce4f310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

Ver [2]:

http://exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/fizemos-forte-movimento-em-direcao-a-africa-afirma-dilma

About author

Advogado (Unicuritiba). Pós-Graduado pela mesma instituição, em Direito Internacional. Realizou curso de aperfeiçoamento em Negócios Internacionais ("International Trade") no Holmes Institute, em Melbourne (Austrália). Mestrando em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atual membro da Comissão de Direito Internacional da OAB/PR.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!