AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

O narcotráfico colombiano atravessa a fronteira e afeta o Equador

Em setembro de 2016 foi assinado um Acordo de Paz entre o Governo colombiano  e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), porém ainda hoje a violência relacionada ao narcotráfico não só atinge aquele país como alcança o Equador.

Em razão do Acordo, parte dos integrantes das FARC formou um partido político, mas uma outra, que não aceitou as condições da negociação, formou dissidências que passaram a atuar em paralelo a grupos pré-existentes, como o Exército de Libertação Nacional (ELN). A Fundación Ideas para La Paz (FIP), criada em 1999, por empresários colombianos, publicou um minucioso estudo sobre o surgimento e atuação destas frentes, no seu Informe nº 30, de abril de 2018.

A partir dos anos 2000, o Governo colombiano passou a combater estas facções, com apoio americano, por meio do “Plano para a paz, a prosperidade e o fortalecimento do Estado”, conhecido como Plano Colômbia, o que fez surgir o Equador como alternativa estratégica para os narcotraficantes, pois a fronteira terrestre com a Colômbia tem penetração favorecida pela densa vegetação e baixa densidade demográfica, a economia dolarizada facilita a lavagem de dinheiro oriundo de atividades ilícitas vinculadas ao tráfico e a diminuta extensão territorial permite o rápido escoamento das drogas, por via marítima, para grandes centros de consumo, como Ásia e América do Norte.

O desmantelamento das FARC deu origem a novos grupos que passaram a competir pelo controle dessa rota que passa pelo Equador levando ao aumento da violência, sobretudo na Província equatoriana* de Esmeraldas que faz fronteira com Nariño, que é o Departamento*  de maior cultivo de cocaína da Colômbia. A partir de janeiro deste ano (2018) ocorreram diversos atentados que tiveram como alvo militares e civis equatorianos, incluindo-se o seqüestro e morte de uma equipe do jornal El Comércio, na região limítrofe entre os dois países.

Presidentes da Colômbia e do Equador firmam acordos de cooperação

Quito passou a cooperar com Bogotá, em 2010, ainda na gestão de Rafael Correa, entretanto o Equador mantinha posição de neutralidade frente ao que se entendia como problema interno da Colômbia. O forte patrocínio dos Estados Unidos ao Plano Colômbia reforçava o distanciamento do Governo equatoriano que chegou a recusar benefícios alfandegários ofertados por Washington em troca da adesão à luta contra o narcotráfico, sob alegação de defesa da soberania.

Lenín Moreno, atual Presidente do Equador, acusa Correa de leniência com os traficantes e reforçou a segurança na fronteira em cooperação com o Governo colombiano, mediante acordos firmados em meados de fevereiro (2018). A anulação deste conjunto de acordos foi uma das exigências de Guacho, líder da Frente Óliver Sinisterra (FOS), para a libertação da equipe do El Comércio que estava refém da FOS.  Pamela Aguirre, parlamentar vinculada a Correa e uma das representantes do Equador no Parlamento Andino, solicita a divulgação  do conteúdo dos acordos e reivindica que seu país mantenha-se neutro em relação ao que denomina de “conflito colombiano”.

O recrudescimento da violência no Equador em 2018 é visto por alguns como uma reação dos narcotraficantes à ação conjunta dos dois países. O Plano Colômbia não logrou reduzir o cultivo de cocaína e o número de facções se ampliou em razão da fragmentação das FARC, o que dificulta também uma possível negociação de acordos. Há quem sugira a retomada do Plano Equador como solução para a questão que aflige o país. Decerto que o problema é complexo, composto por fatores diversos e, por conseguinte, a solução exigirá um conjunto de ações articuladas que atuem nas diversas causas.

———————————————————————————————–

Nota:

* Província e Departamento são divisões político-administrativas dos territórios do Equador e da Colômbia, respectivamente, similares aos Estados no Brasil.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Mapa da fronteira EquadorColômbia” (Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/a6/Mapa_de_la_frontera_Colombia-Ecuador.svg/1009px-Mapa_de_la_frontera_Colombia-Ecuador.svg.png

Imagem 2 Presidentes da Colômbia e do Equador firmam acordos de cooperação” (Fonte):

http://www.cancilleria.gov.co/en/newsroom/news/declaracion-pereira-vi-gabinete-binacional-colombia-ecuador-logros-reunion

About author

Mestre e especialista em relações internacionais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), especialista em Política e Estratégia pelo programa da ESG (UNEB, ADESG/BA), bacharel em Administração pela Universidade Católica do Salvador (UCSal). Consultor e palestrante de Comércio Exterior.
Related posts
AMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

Rumos geopolíticos entre Rússia e EUA, após as eleições norte-americanas

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Movimento #EndSARS na Nigéria

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

França, Europa e o apogeu da intolerância

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

Após um ano de protestos populares e de sua própria renúncia, Hariri retorna ao posto de Premier no Líbano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!