fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

O posicionamento chinês contra as sansões da ONU para a Síria

Na terça-feira, dia 4 de outubro, a China e a Rússia vetaram as sansões contra a Síria que foram apresentadas no “Conselho de Segurança da ONU” (CS da ONU) o que  gerou muitos questionamentos sobre a postura de ambos. A posição chinesa frente a este caso foi semelhante aquela adotada quando apoiou a criação do Estado Palestino, frisando intensamente o tema “Soberania”.

 

Na última semana de setembro, durante o pedido palestino de reconhecimento de seu Estado na ONU, o ministro das “Relações Exteriores” da China, Yang Jiechi, defendeu-os, afirmando que: “Desde sempre fomos favorável à justa causa palestina, a China apóia sua elevação ao status de Estado-membro da ONU e à implementação da ‘solução de dois Estados’ através de negociações políticas e da criação de um Estado palestino independente e plenamente soberano”*.

No caso sírio, Jiechi ressaltou, de forma equivalente, que a “comunidade internacional deve respeitar a soberania, a independência e a integridade territorial da Síria, atuar e reagir com prudência para evitar novos transtornos que ameaçariam a paz regional”**.

Mesmo demonstrando-se preocupado com a situação na Síria, o governo chinês mantém sua postura contra uma intervenção estrangeira em assuntos internos e contra a adoção de atitudes que possam agravar a situação domestica dos países.

Tal posicionamento ficou transparente na declaração do embaixador chinês na ONU, Li Bandong, de que “Sanções, ou a ameaça delas, não ajudam a conjuntura na Síria, apenas complicam o momento”***.

Para Beijing, a comunidade internacional deve trabalhar para apoiar reformas em prol da paz e da estabilidade político-econômica dos Estados, por isso, para o caso da Síria não há como ser diferente.

—————–

Fontes:

* Ver: APF via Terra

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5378146-EI294,00-China+apoia+palestinos+na+ONU+e+pede+prudencia+em+relacao+a+Siria.html

** Ver: Veja

http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/china-apoia-palestinos-na-onu-e-pede-prudencia-em-relacao-a-siria

*** Ver: Estadão

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,russia-e-china-vetam-resolucao-contra-a-siria-no-conselho-de-seguranca,781233,0.htm

Ver também: “Folha SP

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/985662-na-onu-russia-e-china-vetam-sancoes-contra-a-siria-brasil-se-abstem.shtml 

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!