[:pt]

Entre os dias 28 e 29 de março de 2015, na vigésima sexta cúpula da Liga Árabe, sediada pelo Egito, em um resort de Sharm el-Sheikh, cidade localizada no sul da Península do Sinai, os líderes árabes ali reunidos concordaram em criar uma força militar unificada para a resolução de crises regionais, como as crescentes ameaças de grupos terroristas extremistas como o Estado Islâmico (EI), e as guerras na Síria, na Líbia e no Iêmen.

Historicamente, a formação de coalizões militares entre os países árabes não é novidade. Por quatro vezes (em 1948, 1956, 1967 e 1973) alguns Estados árabes foram à guerra juntos contra Israel; no ano de 1982, os membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) – Arábia Saudita, Bahrain, Catar, Emirados Árabes Unidos (EAU), Kuwait e Omã – criaram o Escudo da Península, em resposta à Guerra Irã-Iraque (1980-88). Em 2011, o Governo do Bahrein solicitou auxílio das forças do Escudo da Península para conter os protestos da então “Primavera Árabe” e proteger instalações estratégicas no país. Um outro exemplo de coalizão se deu na recente Guerra do Iêmen com a operação ‘Tempestade Decisiva, encabeçada pela Arábia Saudita e que reuniu os membros da CCG (exceto Omã), mais a Jordânia, Egito, Sudão, Marrocos e o Paquistão. Curiosamente, países cujos governos seguem uma orientação sunita do islã e são contrapostos aos houthis, milícia xiita apoiada pelo Irã.

A possível criação de uma organização militar multinacional anunciada em Sharm el-Sheikh recebeu a alcunha de “OTAN Árabe”, mais por conta da possível estrutura do que pelo poderio bélico evidentemente. Sob o ponto de vista estratégico, uma união militar entre os países da Liga, em teoria, poderia representar um maior fluxo de informações de inteligência e a ampliação de interesses coletivos entre seus membros, sobretudo porque a maioria dos Estados da Liga são de orientação sunita, embora um grande número de xiitas componha a maioria da população no Líbano, em Bahrein e no Iraque. No que diz respeito à geopolítica e à geoestratégia, tal coalizão se estenderia desde o Oceano Atlântico ao norte do Índico e à margem leste do Golfo Pérsico.

Sharm el-Sheikh é uma prova que, apesar das dificuldades de conciliar interesses políticos, comerciais e geopolíticos, os países árabes podem buscar soluções conjuntas para os problemas regionais. Ademais, a possibilidade de no futuro ser criada a “OTAN Árabe” como uma entidade militar internacional pode ser considerado um fator alarmante para países como o Irã e Israel, que são inimigos históricos de grande parte dos países da Liga.  

———————————————————————————————–                    

Imagem (Fonte):

http://www.americansecurityproject.org/time-for-an-arab-nato/

[:]

About author

Graduado em Relações Internacionais pelo Centro Universitário da Cidade (UniverCidade) e mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Desde 2013 pesquisador de geopolítica pelo Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil (EGN/MB), onde escreve sobre temas relacionados ao Oriente Médio para o Boletim Geocorrente. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, História, Geopolítica do Petróleo e do Oriente Médio.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by