fbpx
NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

ONU tenta negociar cessar fogo na Líbia

Um grupo da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (UNSMIL, na sigla em inglês), foi à capital Trípoli na última sexta-feira, dia 8 de agosto, para tentar negociar um cessar fogo entre facções rivais que têm se enfrentado com violência pelo controle do país no último mês[1]. Segundo o comunicado oficial da UNSMIL, a delegação analisará as necessidades humanitárias do país e “está trabalhando de perto com a comunidade internacional em um esforço conjunto para atingir um cessar fogo durável e sustentável[2].

A decisão veio depois que o novo Parlamento da Líbia se reuniu pela primeira vez na última segunda-feira, dia 4 de agosto, na cidade de Tobruk, desde sua eleição em 25 de junho[3] e pediu um cessar fogo imediato a ser supervisionado pela ONU. A intervenção da Organização nesse sentido pode ajudar a fazer valer o ultimato, tendo em vista que muitas milícias e mesmo parte da população já declararam considerar o Parlamento inconstitucional[4].

Para os países ocidentais, no entanto, o Parlamento é o passo necessário para tentar criar a inclusão e o diálogo necessários entre as diversas facções que se sentem no direito de governar o país. Isso porque o Conselho Nacional de Transição (CNT), que foi substituído pelas eleições de junho, subsidiou as milícias, contratando-as como forças semioficiais para projetar sua autoridade em outras cidades e subúrbios depois da morte de Gaddafi e o subsequente vácuo político em que o país se encontrou. O que era uma forma de polícia local, em cidades estrategicamente importantes e ricas, no entanto, logo degenerou em “entidades parasitas e predatórias perigosas, buscando agendas que são, por vezes, criminais, políticas e ideológicas[5] e que, por serem ligadas a órgãos do Estado, se sentem no direito de governá-lo[5].

Assim, pode-se dizer que parte do que vemos hoje em Trípoli e Benghazi, cidades onde a violência das últimas semanas já fez diversos países fecharem suas embaixadas e evacuarem o pessoal[6], é uma consequência da imprudência do CNT e uma falha dos países ocidentais que intervieram na Líbia armando milícias contra Gaddafi e logo se retiraram deixando apenas uma missão da ONU, limitada em número e escopo para acompanhar o processo de transição. “Os países da OTAN se entusiasmaram para livrar a Líbia de Gaddafi, de sua velha ordem, mas mostraram interesse limitado ou pouca disposição em investir para criar uma nova ordem[7], afirma Robin Wright, autor e pesquisador do Wilson Center, nos Estados Unidos[7].

Desde então, o isolamento mundial da Líbia se acentua e o fechamento de diversas embaixadas estrangeiras no país face a espiral de violência encontrada é um atenuante à situação, já que as informações sobre a situação no local se tornam mais raras e menos confiáveis. Por outro lado, enquanto fortes confrontos pelo controle do aeroporto de Trípoli deixam o país quase inacessível e inescapável por ar, por terra, Egito e Tunísia fecharam suas fronteiras frente à massa de refugiados que as ultrapassavam todos os dias e pelo medo de que a violência os alcançasse[8].

Para limitar a ação das milícias, o Parlamento avisou que tomaria medidas contra quem  desrespeitasse o pedido de cessar fogo e votou uma medida* que concede, temporariamente, certos poderes executivos à legislatura, a fim de retomar os rédeas do país[9].

No entanto, até o momento, o cessar fogo não surtiu o efeito esperado no país e pode não vir a surtir já que não há um Exército para impor a decisão. Se o novo Parlamento não for capaz de criar o diálogo esperado e acalmar os ânimos das milícias, a violência e radicalização crescentes, além de desestabilizar vizinhos**, ameaçam transformar a Líbia em um país falido[7]. Na última quarta-feira países da África e os Estados Unidos expressaram durante uma conferência em Washington grande preocupação com a situação na Líbia e pediram que a população rejeite o terrorismo e a violência e que as partes da disputa cheguem a um acordo[10].

Nesse cenário, é importante lembrar que a falta de estabilidade na Líbia e também no Iraque afeta todo o mundo, já que os dois são grandes produtores de petróleo, o que pode elevar os preços do produto e criar crises de efeito mundial[11]. Tal panorama coloca em questão também uma possível intervenção militar do Ocidente, apoiada por muitos especialistas como a única solução para o fim da crise no país. Apesar do primeiro-ministro Abdullah al-Thinni afirmar que não quer uma nova intervenção, ele pede que os países ocidentais terminem o que começaram, ou seja, ajudem a reconstruir o Estado e suas instituições, por exemplo, treinando e armando o Exército para fazer frente às milícias[12].

—————————————————————————

*A medida é válida até que o país eleja um novo Presidente.

** Pesquisadores afirmam que muitos jihadistas que hoje atuam na Síria e no Iraque foram treinados na Líbia, sem contar que muitas armas dadas pelo Ocidente às milícias líbias foram parar em outros conflitos, como a guerra no Mali.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://www.nbcnews.com/news/world/deadly-libya-violence-pushes-country-toward-failed-state-n169331

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://af.reuters.com/article/energyOilNews/idAFL6N0QE3KF20140808?sp=true

[2] Ver:

http://unsmil.unmissions.org/Default.aspx?tabid=3543&ctl=Details&mid=6187&ItemID=1961301&language=en-US

[3] Ver:

http://www.jornal.ceiri.com.br/eleicoes-legislativas-na-libia-sao-marcadas-por-violencia-e-baixo-comparecimento-urnas/

[4] Ver:

http://www.reuters.com/article/2014/08/06/us-libya-security-ceasefire-idUSKBN0G62GN20140806

[5] Ver:

http://www.washingtonpost.com/blogs/monkey-cage/wp/2014/07/28/whats-behind-libyas-spiraling-violence/

[6] Ver:

http://www.nytimes.com/2014/07/27/world/africa/libya.html?_r=0

[7] Ver:

http://www.nbcnews.com/news/world/deadly-libya-violence-pushes-country-toward-failed-state-n169331

[8] Ver:

http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2014/08/tunisia-seals-libya-border-after-violence-201481153431919507.html

[9] Ver:

http://www.news24.com/Africa/News/Libya-calls-for-supervised-ceasefire-20140807

[10] Ver:

http://www.middleeasteye.net/news/joint-statement-concern-libya-us-and-arab-state-governments-2003960166

[11] Ver:

http://oilprice.com/Energy/Oil-Prices/Renewed-Violence-In-Iraq-and-Libya-Could-Send-Oil-Prices-Up.html

[12] Ver:

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2014/08/08/U-N-delegation-holds-talks-in-Tripoli-over-militia-ceasefire.html

—————————————————————————

Ver também:

http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=48401&&Cr=libya&&Cr1=#.U-c9pCgox0w

Ver também:

http://unsmil.unmissions.org/Default.aspx?tabid=3543&ctl=Details&mid=6187&ItemID=1962097&language=en-US

About author

Mestranda em Segurança Internacional com especialização no Oriente Médio e em Inteligência pela Sciences Po Paris. Graduada em Jornalismo pela PUC-Rio. Foi bolsista CNPQ para estudo do uso da mídia nas eleições municipais de 2012 no Rio de Janeiro.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!