fbpx
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Oposição contesta os resultados das eleições no Moçambique

As Eleições Presidenciais e Legislativas no Moçambique na última semana foram uma das mais conturbadas desde o fim da Guerra Civil, em 1992. O Partido de oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), acusa que as eleições gerais foram irregulares, contestando a vitória do Partido governista, a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO)[1]. Além da contestação por parte dos opositores, o dia da pleito foi marcado por conflitos entre civis e por alguns protestos[1].

As primeiras apurações – cerca de 20% do total de votos – apontavam ampla vitória do candidato Filipe Nyusi, da FRELIMO, com cerca de 63% dos votos, ao passo que Afonso Dhlakama, da RENAMO, possuía aproximadamente 30%[2]. Aproximadamente 10,7 milhões de eleitores foram às urnas escolher o seu Presidente na última quarta-feira, dia 15 de outubro[3].

Agências internacionais, como a Commonwealth Observer Mission, que acompanham as eleições no país, não acreditam que tenha havido manipulação dos votos[3]. Afonso Dhlakama (RENAMO) legitima o resultado e afirmou publicamente que ele será respeitado e “não haverá mais guerra em Moçambique[2].

As eleições no país e o respeito aos resultados são passos importantes para a consolidação da democracia em Moçambique, tendo em vista que ambos os partidos participaram de uma intensa guerra civil entre os anos de 1976 e 1992, ocasionando a morte de cerca de um milhão de civis[1][3].

Além de Moçambique, outras nações Subsaarianas tiveram eleições conturbadas neste ano: em junho, as Eleições Presidenciais no Malawi foram marcadas por denúncias por parte da então candidata à reeleição, Joyce Banda, sobre uma possível manipulação dos votos[4]; da mesma forma, as Eleições sul-africanas foram marcadas por intensos protestos contra o partido governista, o Congresso Nacional Africano[5].

—————————————————————————-

ImagemObservador” (Fonte):

http://observador.pt/2014/10/17/mdm-diz-que-eleicoes-em-mocambique-foram-marcadas-por-praticas-de-fraudes/

—————————————————————————-

Fontes Consultadas:

[1] VerBBC News”:

http://www.bbc.com/news/world-africa-29653391

[2] Ver:

Folha de S. Paulo – Mundo: Sábado, 18 de outubro.

[3] VerThe Washington Post”:

http://www.washingtonpost.com/world/africa/mozambique-opposition-leaders-reject-early-result/2014/10/19/3710c616-57b2-11e4-9d6c-756a229d8b18_story.html

[4] VerCEIRI Newspaper”:

https://ceiri.news/presidente-joyce-banda-pede-anulacao-das-eleicoes-gerais-malawi/

[5] VerCEIRI Newspaper”:

https://ceiri.news/africa-sul-reeleicao-de-jacob-zuma-e-marcada-por-protestos/

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!