EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

OTAN pretende fortalecer laços com ex-Repúblicas Soviéticas

A “Organização do Tratado do Atlântico Norte” (OTAN, ou NATO, na sigla em inglês) anunciou na última terça-feira, dia primeiro de abril, que, “de acordo com a nossa política, as portas da aliança [da OTAN] permanecem abertas a novos membros no futuro[1]. Deu, assim, continuidade ao seu processo de alargamento, com prioridade na “promoção da estabilidade na Europa do leste[2].

Nas palavras do “Secretário Geral” da Organização, o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, “qualquer Estado europeu em condições de promover os princípios da aliança e em condições de contribuir com a segurança da área do Atlântico Norte poderá aplicar para se juntar [a OTAN]”[1].

Na tentativa de promover aestabilidadeno leste europeu, a Organização tem por objetivo fortalecer cooperações militares com as ex-Repúblicas Soviéticas da Armênia, Azerbaijão e Geórgia[3]. Ademais, países como Moldávia, Bósnia e Montenegro estão nalistade possíveis novos membros da OTAN.

Além disso, a Polônia e os três países bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia), participantes da OTAN e da “União Europeia”, estão preocupados com uma suposta política expansionista arquitetada pelo atual “Presidente da Federação Russa”, Vladimir Putin. Com isso, tiveram início debates acerca da possibilidade da criação de ações preventivas, com apoio, principalmente, do “Reino Unido”, da Dinamarca e da Alemanha.

Em discurso, o “Primeiro-Ministro do Reino Unido”, David Cameron, afirmou que “devemos fazer de tudo o que pudermos para tranquilizar os nossos amigos e colegas na Letônia, Lituânia, Estônia e Polônia, que realmente acreditam em suas adesões à OTAN e às garantias que temos dados a eles[2].

—————————–

Imagem (Fonte):

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/06/North_Atlantic_Treaty_Organization_(orthographic_projection).svg/550px-North_Atlantic_Treaty_Organization_(orthographic_projection).svg.png

——————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://euobserver.com/defence/123713

[2] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2014/apr/01/nato-plans-stronger-military-ties-armenia-azerbaijan-moldova

[3] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2014/apr/01/nato-eastern-europe-defences-russia-putin-crimea

 

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

EpiVacCorona: segunda vacina russa contra a COVID-19 tem seu registro confirmado

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China lança plano de transformar Shenzhen em “motor central” de reforma

AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Impacto da COVID-19 na educação é tema de Relatório das Nações Unidas

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataque jihadista a civis deixa 25 mortos em Burkina Faso

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!