fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

A questão da tensão entre as Coréias

A Coréia do Sul ameaça retaliação contra seu vizinho, caso ocorram novos ataques norte-coreanos contra o território do sul. Em “Comunicado Oficial” feito nesta segunda-feira, dia 28 de novembro de 2010, o presidente da Coréia do Sul, Lee Myung-bak, qualificou como crime a atitude de Pyongyang.

Declarou ainda que “A Coréia do Norte pagará um preço alto no caso de novas provocações. (…). Atacar civis militarmente é um crime desumano, que é rigidamente proibido num momento de guerra (…). Agora é hora de demonstrar ação, e não de proferir cem palavras”.

O presidente Lee não se pronunciou quanto à notícia publicada pelo “The New York Times”, de que, com base nos documentos divulgados pelo site “WikiLeaks”, as autoridades de alto escalão dos Estados Unidos e da Coréia do Sul estão discutindo a “Coréia Unificada”, sob comando de Seul.

Ele obteve apoio do Japão e, principalmente, de Washington, com quem os militares de ambos os lados realizam exercícios militares conjuntos. O “Vice Secretário Chefe de Estado do Japão”, Tetsuro Fukuyama, disse que vai exigir dos norte-coreanos que suspendam suas provocações “porque tais atos põem em grande risco a paz e a segurança em toda a região do nordeste da Ásia”.

Seul e seus aliados pressionam uma posição da China, que convocou nesta segunda-feira (29 de novembro), o assessor de Kim Jong-il, Choe Tae Bok, para visitar Beijing e pedir ao vizinho que pare com as atuais provocações. A China convocou representantes dos envolvidos para voltar a negociação a seis, propondo a retomada das negociações sobre a desnuclearização da Coréia do Norte, objetivando diminuir as tensões.

EUA, Coréia do Sul e Japão responderam de forma cautelosa ao chamado chinês, que afirmou serem tais negociações necessárias apenas para a questão do “Programa Nuclear” e não para a atual situação, que se baseia em ataques diretos.

Baseando-se nos documentos vazados pelo “WikiLeaks”, analistas apostam que os esforços chineses para tentar a “Paz”, mantendo a atual condição da Coréia do Norte, pode estar chegando ao fim. O significado disso é que Pyongyang pode estar perto de perder seu único aliado que realmente detém força.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!