fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

China convoca reunião de emergência voltada à tensão coreana

Neste domingo, 28 de novembro, o vice-ministro dos “Negócios Estrangeiros” da China, Wu Daiwei, convocou uma “reunião de emergência” para tratar das tensões na península coreana e convidou representantes das duas Coréias, dos Estados Unidos, da Rússia e do Japão.

Não se trata de relançar diretamente as negociações. É uma proposta da China aos chefes das delegações das negociações de seis partes envolvidas para criar as condições de retomar o diálogo”, esclareceu Daiwei.

No mesmo dia do pedido de reunião, militares sul-coreanos e norte-americanos iniciaram seus exercícios militares na região. Dawei juntamente com Dai Binguo, “Conselheiro de Estado” chinês direcionaram-se para Seul.

Detalhes do encontro de ambos com o chancelar sul-coreano, Kim SungHwan, não foram divulgados, mas já havia sido mencionado que os representantes chineses estavam prontos para protestarem contra os exercícios militares no “Mar Amarelo”.

Durante o encontro, o presidente da Coréia do Sul, Lee Myung-Bak, emitiu um comunicado oficial da Presidência. Nele foi pedido para que a China se posicionasse de forma mais “responsável e equitativa”. Afirmou que a China deveria “contribuir para a edificação da paz na península coreana, adotando uma postura mais equitativa e mais responsável nas suas relações com as duas Coréias”.

A China sofreu várias criticas por parte de seu vizinho. A imprensa sul-coreana condenou a atitude chinesa, afirmando ser ela conciliadora no que diz respeito à Coréia do Norte, sempre manter-se neutra entre as partes e “pedir calma”, mesmo em casos como os ataques dos norte-coreanos.

De fato, especialistas de ambos países, acreditam que a China deverá reformular suas políticas para as duas Coréias, principalmente para o Sul, país que tem sua opinião pública descontente com o posicionamento dos chineses e tem poderio econômico significativo na região e no mundo.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!