fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

China: de Cuba para a Venezuela

O mês de julho encerrou com aproximações entre chineses, cubanos e venezuelanos. A China está estreitando suas relações comerciais com Cuba e fechando “acordo de cooperação” com a Venezuela, o qual se estende do setor comercial ao sócio-político.

Em ano de “Expo Xangai”, exposição que conta com a presença cubana, a delegação deste país se esforça para atrair elementos favoráveis às relações sino-cubanas. Para o “Vice-Ministro do Comércio Exterior” do país caribenho, Mollineda Martinez, “a participação na Expo de Shanghai é uma oportunidade adicional para renovar e consolidar os históricos laços de amizade e solidariedade que uniram os povos chinês e cubano”.

E acrescentou, durante sua participação no evento: “As relações entre Cuba e China se encontram hoje em seu melhor momento histórico. (…) [com] a construção do socialismo de acordo com as caraterísticas próprias de cada um. (…). As relações entre Cuba e China constituem um exemplo de transparência e colaboração pacífica entre duas nações que defendem os ideais do socialismo”.

Além de seu contato com representantes de diversos setores comerciais chineses e membros do governo, o chanceler cubano, Bruno Rodriguez Parilla, se reuniu com o homólogo chinês, Yang Jiechi, para discutir o futuro das relações de ambos países. O encontro focou as relações comerciais entre os dois Estados.

Para os cubanos, a relação com Beijing é de grande contribuição para manter a economia de Cuba. Para os chineses, Cuba é um país importante e tem influência na região, por esta razão pretendem se esforçar na manutenção de suas relações e estiveram em Cuba no dia 29 de julho, quinta-feira.

Além da visita de funcionários do governo da China à Cuba, uma delegação chinesa esteve na Venezuela para acertar a cooperação com este país, no valor agregado de U$ 4 bilhões. A Delegação chinesa foi composta por membros da “Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China” e do “Banco de Desenvolvimento da China”. O foco do encontro foi a “Cooperação Financeira” entre China e Venezuela.

Durante as reuniões, chineses e venezuelanos acertaram 19 projetos de cooperação na área de infra-esturura, que incidirão no setor elétrico e transportes, para a agricultura, tecnologia e petróleo.

Até o momento, o fundo de financiamento estabelecidos entre os dois países está acumulado em U$ 12 bilhões e o governo venezuelano está se esforçando para manter a parceria estratégica com este país asiático.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!