fbpx
ANÁLISES DE CONJUNTURA

CORÉIA DO NORTE: AÇÕES QUE COMPROMETEM SUA SEGURANÇA

O continente asiático começou o ano com desequilíbrio na economia, nas relações diplomáticas e crescente instabilidade na segurança. O motivo do atual incremento da  instabilidade partiu das tensões entre as duas Coréias. No mês de maio, após o incidente que resultou no naufrágio da embarcação sul-coreana, com as acusações de Seul contra Pyongyang, o continente ficou em estado de alerta com a possibilidade de outra “Guerra da Coréia” e insegurança diplomática, quanto ao apoio e posicionamento internacional acerca da questão, embora alguns países da comunidade internacional tenham se posicionado a favor de Seul.

 

Pelas provas e resultados de investigações de equipes sul-coreanas com observadores estrangeiros, a maior parte da comunidade internacional passou aceitar os resultados das investigações conduzidas pela Coréia do Sul, mas restaram dúvidas quanto ao posicionamento da Rússia e do grande aliado do Norte, a China.

Enquanto Seul busca apoio internacional para punir o governo de Kim Jong-Il, levando o caso para o “Conselho de Segurança da ONU”, a Rússia enviou uma equipe própria para investigar as provas de Seul contra Pyoungyang, antes de tomar suas decisões.

Porta-vozes do Kremlin informaram que: “Medvedev considera muito importante estabelecer a razão exata da perda da fragata, e revelar com precisão quem tem pessoalmente a responsabilidade pelo ocorrido (…). Quando houver informações fidedignas sobre a implicação de alguma parte no episódio, devem ser adotadas as medidas que a comunidade internacional considerar necessárias e adequadas“.

Moscou ainda questiona o caso e as provas apresentadas por Seul, segundo informações de fontes do governo russo para a agência russa Interfax. De acordo com declarações de representantes do governo, “após estudar os materiais apresentados [por Seul] e os danos ao casco da corveta, especialistas russos consideraram de pouco peso a série de argumentos da comissão internacional sobre a implicação da Coréia do Norte no afundamento da corveta“.

Para o General Nikolái Makárov: “é cedo para extrair conclusões definitivas. Nosso grupo de especialistas que trabalhou em Seul, atualmente prepara os materiais para seu relatório às autoridades“.

Em breve a chancelaria russa deverá tornar público os resultados das investigações dos especialistas russos. O mundo, porém, está voltando suas atenções para a China, que sofre grande pressão internacional para se posicionar quanto ao caso.

Assim como a Rússia, o governo chinês também questionava as acusações de vindas de Seul e as investigações realizadas por uma equipe internacional composta por especialistas da Austrália, Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Suécia.

Beijing, em reunião de cúpula com Japão, Coréia do Sul e com a presença do líder chinês, se pronunciou não se alinhar a nenhum dos lados por razões óbvias: não alterar a aliança da China com a “República Popular Democrática da Coréia” (RPDC), nem encerrar suas relações com Seul, relações que começaram a crescer na década de 1990.

Diante das pressões internacionais para uma resposta chinesa, os militares norte-coreanos podem ter dado o motivo para o posicionamento final da “República Popular da China”, levando-a a abandonar o seu apoio à Coréia do Norte. Houve um incidente de fronteira que resultou na morte de cidadãos chineses, o que levou Beijing a formalizar uma reclamação para com o país vizinho e deixá-la sob investigação.

Nesta terça-feira (8 de junho), o porta-voz do “Ministério das Relações Exteriores da China”, Qing Gang confirmou e protestou contra a ação de militares norte-coreanos na região fronteiriça, que levou à morte de três cidadãos chineses da cidade de Dadong. O protesto levou em conta a surpresa, por não se esperar tal ação vinda de um país aliado.

Na manhã de 04 de junho, alguns residentes da cidade de Dadong, na província de Liaoning (noroeste), foram atingidos a tiro por guardas fronteiriços norte-coreanos sob suspeita de estarem a passar a fronteira para levar a cabo atividades comerciais (…). Três pessoas foram mortas, e uma ficou ferida“, afirmou Qing Gang.

Uma equipe chinesa está investigando o caso, ignorando, de início, a declaração dada por Pyongyang sobre o incidente, para o qual a ação se deveu a que os chineses mortos eram contrabandistas, que entraram em seu país de forma ilegal.

Incidentes como estes são raros de ocorrer na fronteira dos dois países, pois tem constante movimentação e não é área militarizada, tal qual ocorre na fronteira da Coréia do Norte com a Coréia do Sul.

A Ásia está na expectativa de futuras ações de Beijing para com a Coréia do Norte e aguarda os resultados de suas investigações sobre o atual incidente entre os dois países, bem como os resultados das investigações da Rússia com relação ao caso do naufrágio da embarcação sul-coreana. Após os resultados irá se posicionar, com indicativos de que a tendência cresce para ser pró-Seul.  

A chancelaria chinesa não mencionou se as mortes dos chineses na fronteira podem influenciar em seu posicionamento acerca da tensão entre as Coréias, mas a ação norte-coreana foi em um momento delicado, já que se soma às pressões internacionais sobre a China para se aliar a Seul. Caso isto ocorra o resultado tende a ser desagradável para o líder da RPDC, Kim Jong-Il, que ficará isolado e os resultados serão imprevisíveis.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
AMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

Rumos geopolíticos entre Rússia e EUA, após as eleições norte-americanas

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Movimento #EndSARS na Nigéria

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

França, Europa e o apogeu da intolerância

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

Após um ano de protestos populares e de sua própria renúncia, Hariri retorna ao posto de Premier no Líbano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!