fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

“Polícia Federal” brasileira afirma que Bolívia é responsável por mais da metade da cocaína consumida no Brasil

Apesar dos trabalhos conjuntos, das parceirias e Acordos que estão sendo feitos entre Brasil e Bolívia para combater o tráfico de drogas entre os dois países, a “Polícia Federal do Brasil”, (PF), por meio de seu Diretor-Geral, o delegado Luiz Fernando Corrêa, declarou que o tráfico de cocaína para o Brasil tem a Bolívia como responsável por mais de 50%.

O Diretor afirmou ainda que tem crescido a plantação da “folha de coca” durante o governo do atual Presidente, Evo Morales, razão pela qual ocorreu o crescimento do tráfico, afetando imediatamente o Brasil.

Em suas palvras: “O que é público e notório que a ONU atestou em seu relatório é que a área plantada de coca no governo Morales aumentou. No mínimo, em torno de dois terços ou pouco mais da metade da droga que se apreende no Brasil comprovadamente é boliviana. Então, nós temos que enfrentar a questão da matéria prima, da oferta lá na origem, além dos cuidados de contenção de fronteira”. Esta declaração está sendo compartilhada por representantes da “Igreja Católica” na Bolivia.

Analistas têm destacado que se perdeu a delimitação e o controle daquilo que poderia ser considerada plantação lícita, ou seja, destinada para fins medicinais e culturais, como o consumo do chá da folha e não para a geração do subproduto, a cocaína. Alguns alegam que há contradição na política adotada pelo Presidente, que não pode estabalecer medidas contra o tráfico, enquanto defende a expansão da cultura da matéria prima-prima da droga.

About author

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!