fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Relações entre China e Taiwan e possibilidades de unificação

As relações entre a China e Taiwan vêm melhorando desde o ano de 2008 quando a RPC (República Popular da China) e Taiwan, conhecida também pelo nome de Formosa, retomaram as relações. As relações entre ambas as partes não é só de interesse dos dois países, mas de todas as nações com as quais ambas mantém relações na região.

 

Para se entender a importância no estreitamento das relações entre a RPC e o estreito de Taiwan para o mundo, deve-se ter conhecimento da política “uma só China”, uma única China para o mundo. Esta política já tem 60 anos, começou com a formação da RPC em 1949, após a guerra civil travada entre Kuomintamg e as forças armadas do partido Comunista. O exército do kuomintamg era liderado por Chiang Kai-Shek que foi derrotado, se refugiou na ilha de Formosa e teve apoio do governo norte-americano.

Para concretizar esta política de “uma só China”, ou política de reunificação chinesa, RPC busca, desde a sua formação, resolver a questão de Taiwan por meios pacíficos e, para concretizar o processo, está sendo  utilizado o conceito de “Um país, Dois sistemas”, conceito de Deng Xiaoping, que se iniciou na década de 1980, com vista de manter a China continental comunista e a ilha de Formosa com o regime capitalista. Assim que se unificassem, Taiwan seria uma região administrativa especial, como é aplicado na atualidadeem Hong Konge em Macau.

Nos anos de 1990, as negociações de unificação foram paralisadas pelo governo taiwanês, ficando dezoito anos paradas, sem obter avanços até o ano de 2008, quando Ma Ying-jeou assumiu o governo e pôs fim a política de antagonismo em direção a China, algo  que havia sido protagonizado pelo presidente independentista Chen Shui-bian.

A situação da relação entre o estreito de Taiwan e a China continental é de interesse dos demais países, pois aqueles que aderem à política de uma só China para o Mundo mantêm relações mínimas com Taiwan. Os Estados que se posicionam de acordo com esta política não podem reconhecer a independência política de Formosa; também não podem apoiar a independência do Tibete; não podem ter relações oficiais entre os governos, pois isso seria problemático para as relações diplomáticas com a RPC.

A importância da China para o cenário internacional é hoje de tamanha importância que outros grandes players mundiais, como os Estados Unidos e a União Européia, que têm um posicionamento a favor, se relacionam com Taiwan de forma delicada para não ter desentendimentos com Pequim. O Brasil e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) também mantêm o apoio a esta política, mantendo relações não governamentais com Taiwan.

A unificação talvez não esteja distante, pois, desde o ano de 2008, quando retomada as negociações entre as duas Chinas, já foram assinados nove acordos e existem outros em planejamento, como um Acordo Marco de Cooperação Econômica.

Ambos os lados já abriram espaços para a cooperação em diversos setores, como no turismo intercambio intelectual. na cooperação científica (com convite para que cientistas taiwaneses participem da “26ª expedição chinesa à Antártida”, no dia 11 de outubro), nas ligações aéreas, de acordo com o que foi publicado em nota analítica pelo CEIRI “COOPERAÇÃO INTERNACIONAL – China e Taiwan, Abertura das ligações” no dia 1 de setembro deste ano, 2009.

Esses acordos são sinais claros de que a relação entre China e Taiwan vem obtendo resultados positivos desde que Ma Ying-jeou assumiu o governo taiwanês, “A experiência da União Européia merece ser aplicada ao desenvolvimento das relações através do Estreito de Formosa, apesar das diferenças históricas”, assinalou o vice-presidente Vincent Siew em reunião com empresários taiwaneses erradicados na Europa, no dia 6 de outubro.

A expectativa de que as negociações entre China e Taiwan a respeito da unificação tenham resultados positivos e de que seja um grande marco para o povo chinês e para o mundo, provendo muitos benefícios diplomáticos e econômicos.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!