fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Restabelecidas as Relações Diplomáticas entre EUA e Venezuela

Foi anunciada nesta quinta-feira a retomada das relações diplomáticas plenas entre Venezuela e EUA tomando a decisão de deixar sem efeito a expulsão dos embaixadores de ambos os países no mês de setembro do ano passado (2008).

Devido à medida, os respectivos representantes diplomáticos reassumirão seus cargos nas capitais dos EUA e da Venezuela. Essa ação vem ao encontro das diretrizes da atual política externa do governo “democrata” (Partido Democrata) dos EUA.

Ao longo da história tem sido parâmetro de atuação dos democratas investirem na diplomacia e na coordenação do sistema internacional para defesa de seus focos estratégicos, pois, apesar de manter a projeção de poder, a tendência natural dos democratas é apostar na negociação e na governança global, desde que sob sua liderança

 

Deve ficar claro que para fazer uma projeção de poder o Estado define projetos, investe recursos e desenvolve meios para alcançar um objetivo estratégico no cenário internacional, contudo não é necessário, ou obrigatório, que esse processo seja militar.

 

Pode-se projetar poder realizando negociações bilaterais, tratados, acordos e parcerias econômicas, investimentos de toda ordem com o intuito de exercer influência direta e manter o controle sobre determinada região, espaço, ou país.

 

Assim, o fato de se realizada ação prioritariamente diplomática, não significa que não  esteja ocorrendo projeção de poder.  É por essa razão que existe continuidade na política externa dos EUA, apesar da alternância dos partidos. Mudam-se as metodologias, mas são mantidos os focos de interesse e os objetivos estratégicos.

 

A retomada das relações diplomáticas com a Venezuela garante ao governo de Barak Obama credibilidade, pois está cumprindo suas promessas de campanha de reaproximação com os Estados que tinham sido posicionados como inimigos. Isso, contudo não altera os centros de interesse da política externa dos norte-americanos, pelo contrário, garante uma ação mais ampla e profunda.

About author

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!