fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Tropas Norte Americanas começam a sair do Iraque

As Tropas dos Estados Unidos da América (EUA) começam hoje a retirada dos principais centros urbanos do Iraque, entregando formalmente as tarefas de segurança às forças iraquianas. No entanto, cerca de 131 mil soldados americanos continuarão no Iraque além de doze brigadas de combate para atuar junto às forças iraquianas até 2010. A proposta é que a retirada de todos os soldados se dê até 2011.

Apesar do início da retirada, os norte-americanos não podem correr o risco de perder o controle. é possível que se esteja aguardando o andamento das condições iraquianas para decidir se os soldados permanecerão mais tempo, ou, não se pode descartar a hipótese de enviar mais soldados. O presidente dos EUA, Barak Obama, já havia anunciado o envio de mais sldados ao Afeganistão, significando que sua política será a de manter o status de seu país na região, tanto por razões militares, quanto políticas, geopolíticas, geoestratégicas  e econômicas.

A economia e o estilo “democrata” (Partido Democrata dos EUA) talvez sejam os pontos para entender a estratégia adotada. Primeiro, os “democratas” priorizam a governança global (foco na diplomacia), mas não abrem mão de seus interesses estratégicos, nem da projeção de poder. Segundo, a crise norte-americana está exigindo economia de recursos. A imagem que melhor responde ao entendimento a da alocação de recursos humanos, não a de uma retirada, pois a saída das tropas americanas na região poderiam colocá-la no caos. Assim, o foco, para entender o problema é o da transferência de recursos para áreas que estejam se reacedendo, enquanto outras, apesar de críticas podem sofrer um curto recuo. Ao longo de 2010, essa retirada ficará mais transparente.

About author

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!