ANÁLISES DE CONJUNTURACooperação Internacional

Poluição do ar provoca a morte prematura de 7 milhões de pessoas por ano

No início de setembro (2020), a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um alerta global enfatizando que nove em cada dez pessoas respiram ar poluído. Assim, a expectativa dessa ação era trazer à tona que especialmente os países de baixo e médio desenvolvimento são acometidos por mortes prematuras devido a doenças relacionadas ao sistema respiratório.

Estimativas da ONU, portanto, indicam que 7 milhões de vidas são interrompidas pela falta de medidas e aplicação de políticas de cooperação internacional em prol de atividades e sistemas de produção mais limpos. Além disso, faz-se mister destacar que a poluição do ar tem impactos negativos sobre os ecossistemas, sendo responsável pelo arruinamento de, aproximadamente, 52 milhões de toneladas de safras a cada ano.

A partir dessa conjuntura, lançou-se o dia 7 de setembro como o “Dia Internacional do Ar Limpo para um céu azul”. A ação visa incentivar que governos e setor privado, organizações da sociedade civil e indivíduos adotem mudanças em seus estilos de vida no intuito de reduzir a poluição do ar.

Para isso, algumas medidas são apresentadas como alternativas para a melhoria da qualidade do ar local:

– Escolher meios de transporte limpos quando disponíveis (por exemplo, transporte público, de bicicleta ou a pé, em vez de automóveis particulares ou motocicletas);

– Utilizar combustíveis e tecnologias limpas para cozinhar, iluminação e aquecimento;

– Utilizar fontes de energia renováveis sempre que possível;

– Parar de queimar o lixo doméstico e agrícola;

– Eliminar o uso de lareiras e fogões a lenha;

– Monitorar a sua necessidade energética e o desperdício em casa;

 – Instalar eletrodomésticos e lâmpadas eficientes em termos energéticos e isolamento e janelas à prova de correntes de ar.

Iniciativas em todo o mundo estão pressionando pelo fim da poluição da água e do solo, mas a poluição do ar é frequentemente esquecida. Foto: Karen, Flickr

Também, estimula-se o acesso a informações ambientais. Especificamente, as Diretrizes de Bali sobre Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Matéria Ambiental do PNUMA para combater a falta de consentimento à exposição de substâncias e resíduos perigosos que aumentam a probabilidade de os indivíduos desenvolverem doenças e deficiências ao longo da vida.

Por fim, o Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (PNUMA) recorda que muitas atividades ambientais estão relacionadas à proteção da água e do solo. Portanto, orienta-se que haja o reforço da conscientização global sobre a necessidade de empregarmos atitudes que estejam alinhadas à defesa do ar puro.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1O dia internacional, adotado pela Assembleia Geral da ONU em 2019 e cuja observância é facilitada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), destaca a necessidade urgente de promover ações para melhorar a qualidade do ar e garantir o ar puro para todos e todas. Foto: PNUMA” (Fonte):

https://nacoesunidas.org/poluicao-do-ar-provoca-7-milhoes-de-mortes-prematuras-todos-os-anos-alerta-onu/#:~:text=As%20Na%C3%A7%C3%B5es%20Unidas%20alertaram%20nessa,dez%20pessoas%20respiram%20ar%20polu%C3%ADdo.&text=Segundo%20a%20organiza%C3%A7%C3%A3o%2C%207%20milh%C3%B5es,baixo%20e%20de%20m%C3%A9dio%20rendimentos.

Imagem 2 Iniciativas em todo o mundo estão pressionando pelo fim da poluição da água e do solo, mas a poluição do ar é frequentemente esquecida. Foto: Karen, Flickr” (Fonte):

https://www.cleanairblueskies.org/pt-br/reportagem/em-dia-mundial-pnuma-reafirma-o-direito-humano-ao-ar-limpo

About author

Pós-graduanda em Estratégia e Relações Internacionais Contemporâneas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2018-2019). Graduada em Relações Internacionais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS, 2015), pela I Turma de Relações Internacionais – Turma Nelson Mandela. Ao longo da graduação, implementou o Centro Acadêmico de Relações Internacionais (CARI) da UNISINOS. Possui interesse na área de Segurança Internacional, Organizações Internacionais e Direito Internacional, especificamente, no Direito Internacional dos Refugiados e Migrações. Tem como experiência profissional assessoria técnica para o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, na Secretaria do Planejamento, Governança e Gestão (SPGG, RS). Como articulista do CEIRI trabalha temas correlatos à América Latina.
Related posts
ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Plano de suporte para refugiados no Egito

AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

O Chile e a polêmica sobre saques em fundos de pensão

ANÁLISES DE CONJUNTURANOTAS ANALÍTICAS

COMUNICADO CEIRI NEWS DE 12 DE OUTUBRO

ANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

O papel geopolítico russo no conflito entre Armênia e Azerbaijão

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!